domingo, 17 de junho de 2012

O QUE VOCÊ ACREDITA É O QUE VOCÊ VALORIZA....






" BUSCAI PRIMEIRO O REINO DE DEUS E A SUA JUSTIÇA
E TODAS AS DEMAIS COISAS VOS SERÃO ACRESCENTADAS" ( Mateus 6:33)


A Bíblia não dita um padrão de vida particular para cada pessoa. No entanto, as Escrituras contém um número de princípios desafiadores que devem ser considerados ao escolher o estilo de vida que queremos viver de forma pessoal e familiar.  Um desses textos desafiadores  encontramos em Mateus  6: 19-21 que diz:
“não acumuleis tesouros sobre a terra, onde a traça e a ferrugem correm e onde ladrões escavam e roubam; mas ajuntai para vós outros tesouros no céu, onde a traça nem ferrugem corrói, e onde ladrões não escavam, nem roubam; porque, onde está o teu tesouro, ai estará também o teu coração”.

Estilo de vida que a Bíblia recomenda viver:

        1. Viver sob a perspectiva da eternidade
          De um modo geral as pessoas vivem sob a influência de sua cultura e da sedução da mídia. As propagandas têm um poder muito grande de persuasão, convencendo os consumidores a se satisfazerem no hoje, sem, entretanto pensarem no  amanhã.
O cristão tem a oportunidade de influenciar a eternidade pela forma como lida com o dinheiro. Têm não somente o privilégio de juntar tesouro no céu, bem como investir o seu dinheiro para influenciar  pessoas a estabelecerem uma vida com o Senhor Jesus.
Vivendo sob a perspectiva da eternidade, considera-se um  peregrino e forasteiro na terra, agindo com sabedoria ao adquirir posses, de forma que o capacitem a realizar  a grande comissão  ordenada pelo Senhor Jesus. O escritor Thomas A. Kempis definiu com muita propriedade esta questão: “Deixe que as coisas temporárias cumpram seu papel, mas que as eternas sejam o objeto de seu desejo".

2. Viver com simplicidade
Quando as posses não estão comprometidas com a eternidade, a atenção se volta ao presente para satisfazer desejos da carne. E a carne tem um desejo insaciável e sempre exigirá mais e mais. Viver com simplicidade permite o melhor ambiente para permitir que tenhamos tempo suficiente para nutrirmos nosso relacionamento com o Senhor e no corpo de Cristo.

3. Gastar de forma a agradar a Deus
Em oração, submeta-se ao Senhor nas decisões quanto aos gastos. Tudo que possuímos pertence ao Senhor e devemos gastar  de forma a agradá-Lo e não com propósito egoístas.
Não significa que Deus irá privá-lo de entretenimentos, férias com a família, de momentos sociais e de tudo que for bom para nutri uma vida saudável. A Bíblia recomenda isso: “Tudo que Deus criou é bom, e, recebido com ações graças, nada é recusável” (I Timóteo 4.4).

4. Não desperdiçar os bens     
Administrar com fidelidade os bens é um mandamento bíblico (veja  Lucas 16.1-2).  Prestaremos contas a Deus de tudo que nos foi confiado, talentos, dons, riquezas, família, tempo etc. Se formos achado infiéis, diz o texto bíblico: até o pouco que temos nos será tirado e dado a outro servo, achado fiel. A fidelidade não é medida pelo quanto foi recebido, mas a maneira como administramos o que recebemos.

5. Não comparar aos outros
Não se deve fazer comparações para justificar  os gastos  maiores que o devido. Muitas pessoas sofrem nas finanças porque tentam, sem sucesso, igualar-se aos outros. O estilo de vida deve basear-se na convicção de que o Senhor deseja que cada pessoa, tenha certo padrão de vida, que não seja, necessariamente, ditado pelo máximo de que ela dispõe.

6. Não se conformar com o mundo
O apóstolo Paulo inicia Romanos 12.2 com uma ordem: “E não vos conformeis com este mundo”. E diz o apóstolo em Efésios 6:12: “que nossa luta não é contra o sangue e a carne , e sim contra os principados e potestades, contra aos dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes”.
A forma sedutora como o espírito de mamom tem agido no mundo, tem levado muitos cristãos viverem um estilo de vida escravizado por esse sistema. São vítimas da ganância, compulsivos em consumir, vivendo sem perspectiva de eternidade.

7. Viver para a prática de boas obras
Esse é um excelente teste para sabermos se o dinheiro não está sendo senhor de nossas vidas. Se estamos verdadeiramente vivendo  a prática de boas obras  do que fala Paulo em Timóteo 6.18-19:      

“que pratiquem o bem, sejam ricos de boas obras, generosos em dar e prontos a repartir, que acumulem para si mesmo tesouros sólido fundamento para o futuro, a fim de se apoderarem da verdadeira vida”.

A prática de boas obras é o antídoto mais eficaz contra a doença “amor ao dinheiro”, que segundo a Bíblia: é a raiz de todos os males.

Se  o seu olhar pela vida tem colocado em primeiro lugar   " as demais coisas", reconsidere o seu foco. Quando Deus não ocupa o primeiro lugar de nossa vida, perdemos a perspectiva de eternidade.  
 
" O destino não está programado, nem é inevitável, mas é uma questão de escolha".
Por amor a Cristo!