domingo, 29 de julho de 2012

QUANDO O PERDÃO DEIXA DE SER PERDÃO



“... perdoa-nos as nossas ofensas como também nós perdoamos as pessoas que nos ofenderam” ( Mateus 6:12).



A luz da Bíblia o perdão vai além da vontade humana. É um dom  divino, faz parte do caráter de Deus. Não receber o  perdão de Deus  torna-se o maior infortúnio na vida de uma pessoa. 

 O perdão de Deus é absolvição plena do juízo divino, mas não absolve das conseqüências dos erros praticados. O juízo divino,  é uma sentença definitiva dado ao pecador.  A punição divina é uma sentença de reparação dos danos causados ao próximo   e   correção no caráter,  para que tal ato não  se repita novamente.

1-     Quando o perdão deixa de ser perdão?

Quando se perdoa  as ofensas  e não se dá a devida correção do caráter.
O ser humano não possui a mesma perfeição do caráter de Deus.  Justiça e misericórdia são duas combinações perfeitas e caminham juntas.
Como seria tarefa difícil, por exemplo, um magistrado ou um rei, exercer justiça e ao mesmo tempo misericórdia, na vida de um filho que cometeu um assassinato

O rei Davi passou por esse tipo de experiência. Absalão cometeu um assassinato, matou o seu meio irmão, Amnom.  Como agiu Davi? Como Juíz, o seu filho não passou por um julgamento como os demais criminosos; como pai,  não perdoou o filho;  por fim, não aplicou punições para correção de caráter, nele.  A Bíblia diz, “ um abismo chama outro abismo”.  Absalão,  rebelou-se contra o seu próprio  pai resultando   na   sua própria ruína.

Quando se perdoa  o pecado sem dar ao ofensor a chance de um novo recomeço.
Sinceramente, fazendo uma auto crítica de nós mesmos,    vamos concordar que somos bem parecidos: com  Davi, na função de pais; e,   com Absalão, na função de filhos. 
- Como pais,  falhamos na sublime missão de formar, educar e corrigir nossos filhos.  Ao invés de reconstruir um relacionamento rompido, afastamos nossos filhos  para mais longe de nós.    
-Como filhos,  nos rebelamos quando não somos perdoados e amados como desejávamos.

Quando se perdoa  não dando a justiça e a misericórdia   o mesmo peso   O perdão com  justiça leva o ofensor  a reconhecer o peso do seu ato praticado.  A justiça  leva distinguir quando um ato é involuntário ou quando ele é deliberado. Ato involuntário pede-se desculpas.  Ato  premeditado e deliberado exige-se perdão (consciência do erro)  e correção.  Uma atitude premeditada aponta desvio de caráter, precisa de correção.

O perdão com misericórdia  valoriza menos a ofensa e  dá um alto valor a pessoa do ofensor. Esse tipo de perdão  é movido pelo amor incondicional: “ Eu perdôo e esqueço”. Eu perdôo, vamos caminhar juntos”.

2-    Quando o  perdão é genuinamente perdão?

- É  um ato voluntário e sacrificial. O Senhor Jesus voluntariamente foi a Cruz. Nesse ato  sacrificial, por nós, disse ao Pai:   Pai, perdoa-lhes, por que não sabem o que fazem” ( Lucas 23:34)

- É um ato de amor por quem não merece.   Deus fez isso por nós:  “ Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores” ( Romanos 5:8).  Deus primeiramente nos ama, e então nós O amamos.

- É um ato que visa reconciliação.  “ Deus estava em Cristo reconciliando o mundo, não imputando aos homens as suas transgressões, e nos confiou a palavra da reconciliação” ( 2 Cor 5:18).  O ministério da reconciliação é o mais importante do cristão. Quando perdoamos, estamos religando a pessoa a nós e com Deus.  Colocamos a pessoa do ofensor na condição de retornar seu  estado anterior.  É assim que Deus faz conosco: “ Pois, para com as suas iniqüidades, usarei de misericórdia e dos seus pecados jamais me lembrarei”. ( Hb. 8:12).

- É um ato de obediência ao  padrão divino. Na oração do “Pai nosso” o Senhor Jesus estabelece essa relação do perdão de Deus com o perdão que deve ser praticado entre as pessoas:  “ Perdoa-nos as nossas ofensas como também nós perdoamos as pessoas a que nos ofenderam” ( Mateus 6:12).

Para você refletir:
Que o Espírito Santo trabalhe sua mente e coração para receber essa palavra como bênção para sua vida. Se o seu entendimento com  relação à prática do perdão precisa ser mudado,  mude!  Perdoe e se sinta perdoado. Amem!

Por amor a Cristo!