domingo, 9 de dezembro de 2012

QUANDO O MEU LADO QUERER PREVALECE SOBRE O MEU LADO DEVER?...

“ Entretanto, preciso de algo mais! Pois, se conheço a lei e mesmo assim não posso guarda-la e se o poder do pecado dentro de mim insiste em sabotar minhas melhores intenções, obviamente preciso de ajuda! Entendo que não posso cumpri-la. Posso desejar, mas não posso fazer. Decido fazer o bem, mas de fato não o faço. Decido não fazer o mal, mas acabo fazendo, de um modo ou de outro. Minhas decisões não resultam em ações. Algo está muito errado no meu interior e sempre tira o melhor de mim.....’ ( Romanos 12: 17-23).

A batalha que o apóstolo Paulo trava,  em Romanos 12:17-23,  retrata a natureza humana decaída.  Todos nós lutamos com o nosso lado  “querer” e com nosso lado  “dever”.  O lado querer  passa uma falsa ideia de  ser mais legítimo, mais pessoal,  transmite a sensação de liberdade.  Enquanto o  lado  dever,  passa a ideia de imposição,  algo impessoal,  restringe a liberdade. 

A criança quando começa a dar os primeiros passinhos não tem noção nem do querer e nem do dever. Os adultos assumem esse papel por elas.   Normalmente o que mais a criança houve  é “não pode”.   É de se esperar que  os adultos  tenham aprendido a distinguir  o que  pode e o que  não pode.

1-     Quando o  meu lado “ querer”  prevalece?:
a)    Quando os meus sentimentos e vontades egoístas  violam um princípio ou uma lei.
“... posso desejar, mas não posso fazer...
Atitudes, por exemplo,  de um marido  que dirige-se à sua esposa e  diz: “ estou sentindo que o meu amor acabou por você”. Uma atitude de  violação de um princípio básico do casamento que é:  amar a esposa.  Por conta de um sentimento egoísta, deixa de amar.  Alguns colocam seus sentimentos como se viessem de Deus: “sinto que devo tomar determinada decisão porque Deus me revelou....”. 

b-     Quando relativiso a  Palavra de Deus, minimizo o pecado e justifico as consequências.
”...  preciso de algo mais...”
Duas vozes  dialogam no nosso interior:
Meu lado “dever”   diz, :  “ É ilegal , viola a lei”.
Meu lado “querer”  diz:   “ Já fiz;  nunca fui pego”.
Meu lado “dever”    diz:   “A lei é a lei; para ser cumprida”.
Meu lado “querer”  diz:   “ Mas esta lei não  se aplica a mim, sei me defender.  ( ... e o diálogo continua...)

Esse é o tipo de diálogo perigoso que travamos em nosso interior. É tão perigoso quanto foi o diálogo que Eva manteve com a serpente, Satanás.  Pequenos atos delituosos começam de maneira inocente. Flertar com o pecado não é uma boa coisa a fazer. É sim um grande perigo.

2-  Quando  o meu lado “dever” prevalece?:

a)       Quando questiono  cada ato que pratico.

“... e se o poder do pecado dentro de mim insiste em sabotar minhas melhores intenções...’

Ponderar cada ato praticado, sem violar  algum princípio ou uma alguma lei, é um gesto sensato. Um princípio ou uma lei, está acima de qualquer ato da vontade. Coisas simples, como  fazer uma ultrapassagem indevida, não usar cinto de segurança, estacionar em locais proibidos, são alguns exemplos que devo ponderar. 

Como você reage ao receber uma multa, por violar uma lei  do trânsito? Você rasga a multa e fica tudo resolvido? Claro que não.  Além de pagar a multa, você receberá alguns pontos em sua carteira. Ponderar, responde a pergunta: Vale a pena?

b)    Quando racionalizo  a Palavra de Deus de forma  positiva.

“... algo está muito  errado no meu interior e sempre tira o melhor de mim..."
Devo reconhecer que as leis não foram criadas para promover  prazer,  mas para garantir segurança e proteção. Quando violo  uma lei divina os “radares” celestiais estão registrando cada ato violado.

Você,  sabendo disso, ao violar uma Lei de Deus,  mudaria o seu modo  de agir?  Por prazer, violou uma lei? Que consequências sofreu?

Para você pensar:
Quando a Bíblia adverte que o pecado não é uma coisa boa para se pratica, é para  proteger você das consequências.  Quando violamos uma lei divina, o que temos que fazer é nos arrepender, confessar o erro e abandoná-lo de nossa vida. Você tem feito isso?

Por amor  a Cristo!