domingo, 16 de dezembro de 2012

QUANDO TERMINA A TAREFA DOS PAIS?


 
 
“ Coroa dos velhos são os filhos dos filhos; e a glória dos filhos são seus pais”
( Provérbio 17:6)



 
O tema é uma indagação que muitos pais se perguntam:  Afinal, quando termina nossa tarefa de pais? Até onde vai o nosso limite de educar e interferir na vida de nossos filhos?
Quando os filhos nascem geram em nós, pais,  a expectativa que logo eles vão crescer,  e então,  teremos tempo para fazer muitas  outras coisas. Os filhos crescem e a tarefa continua.

Afinal, quando termina nossa tarefa de pais? Essa é a questão.  Vamos considerar quatro aspectos importantes para você tentar responder a essa pergunta:

1°-  Não há  um limite de  percurso  que delimita  cruzar a linha de chegada.

Os pais jamais receberão medalhas por ter cruzado a linha de chegada,  com os dizeres:  Parabéns! Vocês encerram com brilhantismo a  tarefa de pais.  Por outro lado há recompensas no percurso.  Provérbio 17:6, diz: “  que a coroa dos avós são os netos" . Para os que  já são avós, sabem o quanto é compensador.

No momento em que  nos tornamos pais,  cria-se  um vínculo  com o ser criado,  de forma definitiva.   Esse vínculo não se  interrompe a despeito de um casamento rompido, ou por ser gerado de forma irresponsável. O DNA está estabelecido. A Paternidade é para toda a vida.

2ª-   Gerar filhos deve ser um ato em concordância, bem pensado e de forma responsável.

Deus não planejou que nenhuma criança nasça sem ter um pai e uma mãe.  Nenhuma criança foi planejada por Deus para nascer de forma acidental ou obra do acaso. O planejamento familiar é um projeto perfeito de Deus.

Deus jamais idealizou um plano “B”.  Que permita práticas desumanas, atos irresponsáveis, de gerar filhos sem a correspondente paternidade.  Para esse tipo de prática é tolerância zero. Haverá uma prestação de contas muito severa.

  O plano de Deus é perfeito, Único e inclusivo.  Todas as crianças,  geradas na face da terra, recebem o seu amor e aceitação, como Pai,  indistintamente  e igualitariamente.  Para Deus não há filhos errados, há pais errados.

3ª-  Mais cedo ou mais tarde os filhos terão que tomar decisões importantes na vida.

Talvez este seja o momento mais difícil para os pais.  Aceitar que os filhos  tomem as suas próprias decisões.  E os filhos, terão mais dificuldades se não foram devidamente instruídos e  aparelhados com  ferramentas  que vão alavancar as suas decisões.

Nesta fase os pais  estão em plena transição de tarefas. Agora,  ficar na torcida  que tudo que ensinou e transmitiu, aos filhos,   funcionem na prática.  Os filhos foram ensinados, a buscar em Deus sabedoria para tomar decisões. Ensinados que  a  Bíblia é a fonte divina que os orienta a tomar as melhores decisões.  Aprenderam diferenciar o certo e o errado. A importância de envolver-se no Reino de Deus.

4ª-  Chegou  a fase em que a  autoridade dos pais  continuam na vida dos filhos e das futuras gerações  através do exemplo e da influência.

Não há como fugir desta fase da vida.  Inevitáveis aos pais. Os filhos cresceram, tomaram os seus rumos, constituíram famílias.   Não deixamos de ser pais,   o legado e a experiência de vida,  vão funcionar como “GPS” na vida dos filhos.  Certamente vão errar em algum momento do  percurso, mas se  valerão do  “GPS”.   O que aprenderam e a influência dos pais,  poderão servir  como ajuda para a  correção da rota. Esse é o melhor dos troféus.

Oração pelos pais:

“Pai, nossa tarefa de pais é sublime mas trabalhosa. O Senhor, como nosso Pai, sabe melhor que nós. Ajuda-nos em nossas tarefas. Não esperamos medalhas, mas queremos deixar um legado que valha a pena. No nome de Jesus, Amem!

Por amor a Cristo!