domingo, 20 de janeiro de 2013

NA VIDA ACUMULAMOS PONTOS DE REFERENCIAS, POSITIVOS OU NEGATIVOS, QUE O TEMPO NÃO SE APAGA



" Há caminhos que parece direito ao homem, mas o seu fim são caminhos de morte"  ( Pv. 16:25 )



A vida é semelhante a um caminho que  cruza por caminhos de outros,  ou  pelo nosso próprio caminho. Nesse zigue-zague da vida, vamos deixando pontos de referências que o tempo não apaga, vão se tornando registros  importantes na nossa biografia de vida. Sonhos  que foram realizados, não realizados e outros   inacabados, retomados pelas gerações seguintes.

É impossível fazer o mesmo percurso no  caminho de outra pessoa. Mas é possível cruzar os caminhos de nossos pais, avós, bisavós e etc.   Deixaram marcas, pontos de referências  positivas e negativas, que o tempo não apaga.  Ao  cruzarmos em um desses pontos  de referências, podem ocorrer situações que nos levam a perguntar:   É uma coincidência ou destino?
 
Vamos acompanhar a trajetória de vida de três gerações, são os patriarcas bíblicos do passado -  Abraão,  Isaque e Jacó.  Suas histórias de vida podem cruzar com a sua própria história.
 
1º-  ABRAÃO:  Abrão e Sara, experimentaram fome e se mudaram para o Egito. Gn. 12:11  “ Havia fome naquela terra, e desceu Abraão ao Egito, para peregrinar ali, porquanto a fome era grande na  terra”. Anos depois, o seu neto Jacó e toda a sua família, cruzaram o caminho do avô, foram para o Egito por causa de uma grande fome onde moravam. Confira em  Gn. 46/49.

O ponto de referência positiva  que Jacó e sua família encontraram no Egito, deixado pelo seus avós,  foi obediência e dependência a Deus.  Abraão e Sara foram pontos de referências, para as futuras gerações,  por um período de 400 anos. Coincidência ou providência divina?

Abraão deixou  outra referencia positiva, em Gerar.  Gênesis  26:15  “... E todos os poços que os servos de seu pai tinham cavado  nos dias de Abraão, seu pai, os   Filisteus entulharam e encheram de terra”.  Seu filho Isaque,  ao cruzar o caminho do seu  pai, encontrou uma historia de luta  e a marca  de um vencedor.   

Veja a história se repetindo na mesma cidade e nos mesmos poços cavados pelo seu pai e estavam entulhados. ( VS. 17,18)  “ Então, Isaque  foi-se dali, e fez o seu assento no vale de Gerar, e habitou lá. E tornou Isaque, e cavou os poços de água que cavaram nos dias de Abraão, seu pai, e que os Filiteus taparam depois da morte de Abraão, e chamou-os pelos mesmos nomes que os chamara seu pai).  Abraão deixou uma referência positiva importante que muito ânimo trouxe a seu filho Isaque: A marca do cuidado de Deus, mesmo vivendo em situações extremas.

2ª-  ABRÃO:  Também  deixou referências negativas.  Em peregrinação,  por terras de Gerar,  por medo usou do recurso da mentira.   Gn. 20:1-21  “ Por medo mentiu que Sara era sua mulher”.   Em peregrinação, pelo Egito, induziu Sara a mentir, dizendo que ela era sua irmã.  Gn. 12: 13 “ Dize: peço-te, que és minha irmã , para que me vá bem por tua causa, e que viva a minha alma por amor de ti”.  A mentira  é como uma  droga, pode trazer algum benefício imediato, mas as consequências futuras  são trágicas. Tanto no Egito quanto em Gerar,  Abraão e Sara deixaram pontos  de referências moral,  negativos  e   irreparáveis.  A história não se apaga.

Tempos depois, Isaque, o filho da promessa, cruza o caminho moral do seu pai, na mesma cidade de peregrinação,  em Gerar. Ao passar por situação semelhante, deixou se contaminar, cometendo a mesma falha moral. Gn. 26: 7  “ ... e, perguntou-lhe os varões daquele lugar acerca de sua mulher, disse: é minha irmã; porque temia dizer: É minha mulher; para que porventura ( dizia ele)   não me matem os varões daquele lugar por amor de  Rebeca ; porque era formosa à vista”.

Os caminhos se cruzam na segunda e na terceira  geração. Jacó  cruzando o caminho moral do seu pai e do seu  avô.  ( Gn 27:19)  “ E Jacó disse a seu pai: Eu sou Esaú, teu primogênito. Tenho feito como me disseste. Levanta-te agora, assenta-te e come da minha caça, para que a tua alma me abençoe”.  A marca de um enganador. ( Gn. 25:30-34)- Comprou o direito de primogenitura de seu irmão, Esaú,  por um prato de comida.  Marca de um espertalhão. 

Sucessivos episódios aconteceram na vida de Jacó nesta  área de “enganar” e “espertalhão”.  O seu sogro,  Labão,  enganou-lhe   e usou de esperteza por  vinte anos.   A história se repete,  os seus filhos cruzaram o caminho moral de seu pai, Jacó, venderam José e enganaram o seu pai  inventando uma história que teria sido devorado por uma besta fera do campo ( Gn.37:27,28).

Coincidência ou realidade da vida?.  Coincidência ou consequências ?

Caminhos que se cruzam:  Alguns episódios de  nossa  própria vida:
Aos  17 anos (1967)  sonhava  ser um cadete  da Marinha. tentei não  tive êxito.  Passados, 40 anos, nosso filho Evandro,  cruza por esse caminho, servindo a Marinha, como médico. Senti-me um cadete.   1971, sonhava  passar na Faculdade de Direito de Presidente Prudente, não fui aprovado.  35 anos depois, nossa filha Carol ingressa na Faculdade de Medicina, naquela cidade.  

Refletindo:

“... Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará” ( Gálatas 6:7)

O seu caminho é único, sua jornada é única,  mas os cruzamentos são  Inevitáveis. Portanto, procure deixar marcas relevantes pelo seu caminho. Deixe sinais, onde as gerações seguintes,  possam  ter como referências positivas.  Não pense em coincidência, fique com o que a Bíblia diz: “.... o que o homem semear, isso também ceifará”.  Plante boas sementes, para que a colheita seja boa e abençoada.                                                    

Por amor a Cristo!