domingo, 1 de dezembro de 2013

A FAMILIA QUE PERSEVERA DECIDE VENCER!




“... E abençoarei  os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra” 
(Gn 12:3 )
 
Em todos os empreendimentos da vida a decisão  é um  componente indispensável  para  vencer.  Na família a regra não é diferente. Quando  decide apropriar-se das promessas de Deus,  vencerá.
A família é um dos poucos  investimentos em que todos saem ganhando. As empresas familiares que decidem caminhar na mesma  missão são as vencedoras. Superam os obstáculos e atravessam gerações. Comece a fazer a sua árvore genealógica. Até onde você  quer ir com  a sua geração? Considere o que vamos compartilhar com você:

1-    Uma família que decide vencer, não desiste de lutar pelos
         valores que acredita:
”...  Que eu te ordeno, tu e teu filho, e o filho de teu filho, todos os dias da tua vida....”
 ( Dt. 6:2b )
Acredita que o casamento é uma aliança e que não tem data de validade.    Os  votos são sagrados:    até que a morte os separe”. Os vínculos e os valores são  preservados passando de uma geração a outra.   Não compactua com a ideia do divórcio, com justificativas de incompatibilidade de gênios ou por qualquer outro motivo. Acredita:
. Que é possível desenvolver uma boa comunicação tópica e relacional.  Transmitindo mensagens de valor e aceitação.
.  Que o respeito  as diferenças e as individualidades,  além de promover um forte vínculo familiar, permite o desenvolvimento do caráter e das habilidades  dos seus membros.
. Que  a preservação do ‘DNA” de família,  no sentido de manter uma base solida nos princípios da Palavra de Deus, trará benefícios e proteção  as gerações futuras.

2-    Uma família que decide vencer, é uma geradora de bênção
         geracional.
 “... A sua descendência será poderosa na terra; a geração dos justos será abençoada”
Vivemos numa sociedade que valoriza o ter e não o ser.  Uma sociedade egoisticamente consumidora. A desestrutura familiar aponta como  principal  causa, a falta da bênção dos pais na vida dos filhos.  A cultura do mundo aboliu o valor da bênção familiar. Colhemos uma geração de filhos pobres e de pais ricos.  Filhos pobres de valores,  pobres de sonhos e sem identidade definida.
A família que decide vencer, pensa nas gerações que virão.  Investe em valores eternos. Promovem filhos para Deus.

3-    Uma família que decide vencer, vive o compromisso de
        fidelidade incondicional
“... por que o Senhor foi testemunha entre ti e a mulher da tua mocidade, com a qual tu fostes desleal, sendo a tua companheira e a mulher do teu concerto” ( Mal. 2:14)
Quem ama de verdade não trai, luta pelo casamento.  O amor incondicional gera uma fidelidade incondicional.  Infelizmente, a infidelidade conjugal tornou-se um padrão do mundo, normal e sem limite.  A  infidelidade passou a ser uma moeda de troca. Uma semente maldita que está passando de pais para filhos.  
A infidelidade gera superficialidade nos relacionamentos. Não só atinge o fim de um relacionamento, é  autodestrutivo, dilacera o coração para sempre e  repercute na vida dos filhos que passam a não acreditar na instituição  casamento.

4-    Uma família que decide vencer tem no perdão a moeda de
         troca: perdoar e ser perdoado
“... Antes, sede  uns pra com os outros benignos, misericordiosos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou em Cristo”  ( Ef. 4:32)
O perdão genuíno é uma dispensação da graça de Deus. E graça é um favor imerecido. O perdão é um favor imerecido. Não merecemos o perdão de Deus e em muitas ocasiões de nosso próximo.  Uma pessoa quando recebe o perdão do seu cônjuge, por um ato de adultério, foi alvo desse favor imerecido. O perdão reconstrói o que o pecado destruiu. Isso é graça!
Uma família que decide vencer não abre mão de praticar o perdão.  Embora  o perdão não tem limite, o amor nos constrange a retribuir com gestos de gratidão e reciprocidade.

5-    Uma família que decide vencer estabelece prioridades e  lutam por alcançá-las.
“ Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas as demais coisas vos serão acrescentadas” ( Mt… 6:33)
O principal foco de uma família comprometida com Deus é estabelecer prioridades  que coloquem o Reino de Deus em primeiro lugar.  Quando a família prioriza Deus, evitará dois grandes males que operam no mundo:  a preocupação exacerbada e a ganância. Planejar para o futuro é importante, porém preocupar-se excessivamente  com o futuro causa estresse desnecessário.

Reflexão:
Estamos no mês de dezembro. Mês do nascimento dAquele que deu a maior prova de amor: perdoou! Um perdão unilateral sem esperar nada em troca. Um bom exemplo para praticar neste Natal. Uma família que vence se inspira na vida de Jesus!

Por amor a Cristo!