domingo, 29 de junho de 2014

DISCIPULADO - O AMOR É A PRINCIPAL MARCA DO CRISTÃO!

“... Solicito-te em favor de meu filho Onésimo,
que gerei entre algemas” ( Filemom v.10)

Discipulado não é um movimento, nem uma onda que vem e vai. É o retorno  ao cristianismo primitivo, vivido e ensinado por Jesus. O amor é a  principal marca do novo nascimento. Aquele que não ama não é nascido  de Deus.
Um dos registros bíblicos mais contundentes, que nos inspira  o tema:  “ Discipulado - o amor é a principal marca”, a linda história de Paulo para com o escravo e fugitivo Onésimo .  Pelo menos quatro marcas de amor genuíno sobressaltam na  Epístola  de Paulo à Filemom.

1ª -  Um amor genuíno gera filho espiritual mesmo em circunstâncias desfavoráveis
“...   Mas o amor que tenho  por você me obriga fazer esse pedido (...) Portanto, eu lhe faço um pedido em favor de Onésimo, que é meu filho por estarmos unidos com Cristo, pois, enquanto eu estava  na cadeia , tornei-me o pai espiritual dele” (9,10)
Que demonstração de um amor genuíno esse de Paulo para com Onésimo! Em circunstâncias tão desfavoráveis, algemado numa prisão, doente, com poucas forças físicas, gerando um filho na fé  em  situação de um  escravo fugitivo e  de um grande amigo  seu.
O amor deve ser a principal marca do discípulo. Muitos filhos espirituais são gerados em circunstâncias como a de Onésimo. Muitos pais espirituais geram filhos em circunstâncias de grandes batalhas espirituais. Em circunstâncias desfavoráveis o amor genuíno  sobressalta, e filhos são gerados para Deus.

2ª- Um amor genuíno gera filho espiritual com o coração do pai
“... Eu estou mandando Onésimo de volta para você, e com ele vai o meu coração”
( v.12)
Um filho espiritual gerado num ambiente de muito amor, acaba absolvendo  para si, o amor do próprio pai.  Jesus, o Filho de Deus, absolveu o amor do Pai,  enquanto  Paulo,  absolveu o amor de Jesus,  na sequencia, Onésimo absolveu do seu pai espiritual Paulo. Esse é o padrão de amor que vem de Deus.  Esse deve ser o papel de todo pai, gerar filhos  com essa marca de discipulado.

3ª- O amor genuíno assume o ônus da paternidade do filho que gerou
“... Se ele deu algum prejuízo a você ou lhe deve alguma coisa, ponha isso na minha conta” ( V. 18)
Esse deve ser o padrão de uma paternidade responsável. Paulo ao gerar Onésimo seu filho na fé, sabia do ônus que assumiria sobre ele. Um escravo fugitivo que teria contas a prestar com o seu dono.  O Senhor Jesus  veio buscar os perdidos, sarar os enfermos, dar liberdade aos cativos. Isso tem um ônus para a igreja, para os pais espirituais. Esse deve ser o papel de todo cristão, assumir o ônus da paternidade do filho que gerou para Deus.  Vamos prestar contas da nossa mordomia cristã. Deus  cobrará de cada um de nós   o desempenho da paternidade cristã.

4ª- O amor genuíno promove o bem estar do filho gerado
“... Por isso, se você me considera seu companheiro de trabalho, receba Onésimo de volta como se estivesse recebendo a mim mesmo” (v.17)
A paternidade responsável assume riscos. Paulo poderia ser acusado em proteger um fora da lei. Não só correu esse risco, foi além colocando-se no lugar do seu filho na fé. Correu o risco até de perder a amizade do seu amigo  Filemom.  Esse deve ser o padrão de Deus para amar um filho gerado na fé:  assumir riscos e se  colocar no seu lugar, promover o seu bem estar e crescimento espiritual.

Reflexão:
Quando nos colocamos a serviço do Rei Jesus, e nos dispomos a viver um discipulado marcado pelo amor genuíno, vamos escrevendo lindas histórias de vidas transformadas  que só o Evangelho pode proporcionar.  Reflita sobre essas quatro marcas de um discipulado que faz diferença na vida das pessoas.

Por amor a Cristo!