domingo, 1 de junho de 2014

PRINCIPIOS QUE ASSEGURAM BÊNÇÃOS ATÉ MIL GERAÇÕES!

 
 
"... Ele é fiel e mantém a sua aliança. Ele continua a amar, por mil gerações, aqueles que o amam e obedecem aos seus mandamentos" ( Dt. 7:9b)
 
 
O Senhor Jesus aplicou esse princípio de mil gerações  no seu ministério.  O Capítulo 17, do Evangelho São João, registra uma riqueza de princípios que se aplicam à vida familiar.  O Senhor Jesus  faz uma intensa e abrangente oração, ao Pai. Faz menção que o mundo é um campo de batalha permanente, que  Satanás  se oporia com todo o seu exército para matar, roubar e destruir, a tudo que esteja ligado a questões que envolvam relacionamentos ,  o Seu Reino   e a  família. 
Na sua oração sacerdotal, que chamamos também “ oração da paternidade”, O Senhor Jesus  se coloca em defesa de seus atuais discípulos e todos os milhares de milhares que  seriam acrescentados  ao longo da caminhada  da Igreja Cristã.
Um magnífico exemplo para nós, pais cristãos, na missão de sacerdotes e discipuladores de nossos filhos. Com Jesus aprendemos pelo menos sete princípios  da paternidade espiritual.  Um padrão perfeito a ser aplicado na vida familiar cristã.

1º-  O princípio da  missão
“... Eu revelei no mundo a tua natureza gloriosa, terminando assim o trabalho que me deste para fazer... ” (v.4)
A família não é um trabalho  de realização pessoal: terminou acabou. É um projeto de missão: estende-se às gerações. O Senhor Jesus encerrou um ciclo de sua missão, preparou discípulos que continuariam a linha de reprodução.
O princípio da missão de família foi criado por Deus logo na criação: “ E Deus os abençoou lhes disse: Frutificai, e multiplicai-vos, e enchei a terra...” ( Gn. 1:28 ).  O “DNA”  de família não acaba,  vai passando de geração a geração. Esse “DNA” de missão não pode morrer e nem ser adulterado pelos padrões alternativos que o mundo está gerando.

2º-  O princípio do Temor a Deus
“... Eu mostrei quem tu és  para aqueles que tiraste do mundo e me deste...” (v.6)
O Senhor Jesus tinha consciência, ao  gerar discípulos, mostrar-lhes quem é Deus.  Deve ser essa função intransferível dos pais cristãos:  Incutir, desde cedo,  o valor do temor a Deus. A Bíblia diz que temer é o princípio da sabedoria; ou seja, o princípio da vida. Deus confiou essa tarefa aos pais; um dia,  haverá prestação de contas de como cuidamos dos filhos que geramos. Não geramos filhos para nós mesmos, nem para o mundo, mas para Deus.

3º- O principio que tudo vem de Deus
“... E agora sabem que tudo o que me tens dado vem de ti. Pois eu lhes entreguei a mensagem que tu me deste, e eles a receberam, e ficaram sabendo que é verdade que eu vim de ti, e creram que tu me enviaste” (v.7,8)
Esse princípio fez toda diferença no ministério de Jesus. O reconhecimento de que era um enviado de Deus; que transmitia uma mensagem vinda de Deus; que os discípulos  conheciam a Sua origem;  e,  a veracidade da mensagem que pregava.
Quando os pais perdem o sentido da missão, deixam de ensinar o temor a Deus, não fará nenhum sentido, aos filhos,  que tudo vem de Deus: o declínio da fé está decretado na vida familiar. O princípio da mordomia cristã tem o seu pilar nesse princípio: Deus provedor. A família cristã  que abandona esse princípio,  passa a viver os padrões do mundo. As gerações não desfrutarão as promessas de Deus.

4º- O princípio de orar pelos filhos
“... Eu peço em favor deles. Não peço em favor do mundo, mas por aqueles que me deste, pois são teus”
Jesus tinha a consciência de paternidade. Intercedia intensamente pelos seus discípulos. Orava por proteção dos  seus filhos espirituais e não pelo mundo. Muitos pais oram mais pelo mundo do que pelos seus próprios filhos. O mundo  corrompido e pecaminoso passará; mas,  os filhos herdarão o Reino de Deus. A intercessão pelos filhos é uma tarefa bastante negligenciada por muitos pais cristão. Precisamos resgatar esse princípio: orar pelos filhos, para que não sejam tragados pelo mundo. E que as bênçãos alcancem a mil gerações!

5º- O principio de cuidar dos filhos
“...Quando estava com eles no mundo, eu os guardava pelo poder do teu nome, o mesmo nome que me deste. Tomei contas deles; e nenhum se perdeu, a não ser aquele que já ia se perder para que se cumprisse o que as Escrituras Sagradas dizem” (v.12)
O Senhor Jesus foi além de cuidar, deu a vida pelos seus discípulos.  Apenas, Judas Iscariotes, rejeitou o cuidado e o amor de Jesus. A  rejeição é um ato de escolha, aconteceu com Judas e muitos tem rejeitado o cuidado e o amor dos pais;  preferem à morte espiritual.  Muitos pais tem negligenciado essa função: do cuidado dos filhos. Abandonam, rejeitam e não preparam  os filhos para serem cidadãos dos céus. Deus delegou, a nós pais, poder e autoridade, para no Seu nome, sermos os  valentes de nossas famílias.

6º- O princípio da santificação
“... Santifica-os na verdade, a tua palavra é a verdade(...) E por eles me santifico a mim mesmo, para que também eles sejam santificados na verdade  ” (v.17)
O Senhor Jesus vivia em permanente santificação e conduzia os seus discípulos à santificação.  A santificação é viver em conformidade com os padrões da Palavra de Deus. Santificação é ser verdadeiro com base na verdade de Deus. O Senhor santificava a si mesmo, como exemplo para os seus discípulos.
Os pais não só devem ensinar os filhos acerca da Palavra de Deus, mas viverem essa palavra no contexto da vida familiar.  “ Sede santo como eu sou santo”, assim deve se a matriz da conduta cristã dos pais.  Esse é o princípio da lei da reprodução: os pais se santificando a favor dos filhos, e os filhos se santificando pela conduta dos pais. É um processo permanente: “ O santo continua a santificar” ( Ap.22:11). A família não deve ser descuidar do processo da santificação.

7º- O princípio de abençoar gerações
“... Não peço somente por eles, mas também em favor  das pessoas que vão crer em mim por meio da mensagem deles” (v.20)
Senhor Jesus um visionário por excelência. Na sua oração, de paternidade espiritual, orou pelas multidões de discípulos que creriam, nEle,  durante a militância  de Sua igreja no mundo.  Como o mundo teria outro  destino,  se todos os pais cristãos agissem assim! Quando uma família é quebrada ao meio pelo divórcio, ela é interrompida geracionalmente. Quando os pais abençoam os filhos a ensinam esses padrões que apresentamos, mil gerações serão abençoadas ( Dt.7:9).

Refletido:
A família como missão enxerga gerações abençoadas. Que essa reflexão possa nos ajudar a entender o propósito de Deus para nossas famílias, restabelecer esses princípios de paternidade.

Por amor a Cristo!