sábado, 1 de novembro de 2014

ONDE DEVO CUMPRIR O MEU CHAMADO E SERVIR A DEUS?


"Faça bem feita as coisas que você tiver que fazer. Depois da morte, para onde você  vai, não se pode fazer planos, nem trabalho; lá não há conhecimento nem sabedoria"( Ecl. 9:10).
 

Perguntas como: Como definir um chamado, uma vocação de um cristão? O Chamado e a vocação tem a ver com trabalho exclusivamente espiritual ou tem a ver com todo tipo de trabalho? Como posso servir a Deus através do meu chamado?

São perguntas que requer  respostas corajosas e bíblica. Sem ter a pretensão de oferecer respostas a elas, encorajado com a leitura do livro Vida Integrada, de Ken Eldred, compartilho esse tema esperando contribuir por considerar muitíssimo relevante.

O QUE A IGREJA DEVE ENSINAR EM RELAÇÃO AO CHAMADO DO CRENTE?
Permita-me começar pela minha própria experiência de vida.  Sou cristão convertido e convicto de minha fé em Cristo Jesus. Nessa caminhada já se passaram mais de meio século, sempre servindo o Senhor com muito amor e dedicação.
Sinto-me mais maduro e responsável por compartilhar algumas questões que a Igreja não me ensinou.  Não fui ensinado que o meu chamado, para servir a Deus, seria onde Deus me havia colocado, ou seja, na minha função de funcionário de carreira pública. Ao contrário, por ter sido um jovem comprometido com Deus e com a Igreja, fui muito assediado e estimulado a ir para o Seminário, para ser pastor. O meu teste vocacional é perfeitamente  compatível com  as funções que exerci em minha carreira profissional. Só agora, já  aposentado, posso afirmar com plena  convicção  que aquele era o meu    lugar onde Deus me colocou para exercer o meu  principal ministério .

As minhas convicções não apontavam o caminho pastoral. Entretanto, essa dicotomia, que distinguia o espiritual do secular, sempre pesou sobre mim. De certa forma, houve prejuízo na minha ação vocacional, no âmbito do meu trabalho; por achar, que se tratava de um trabalho profano e que não me traria nenhum crédito espiritual. Na minha concepção de vida  só me  passava uma coisa: não vejo a hora de me aposentar para servir a Deus. Que engano!  Aposentei-me, prematuramente,  deixando para trás  grandes oportunidades de servir a Deus. Mesmo tendo que enfrentar grandes desafios e oposições.

Essa visão equivocada da Igreja, de enxergar o trabalho espiritual como especial, e o trabalho chamado secular, sem nenhum valor inerente espiritualmente, isso vem trazendo prejuízos enormes para o Reino de Deus.
Muitos cristãos, por conta dessa dicotomia, frustram-se na vida. Homens e  mulheres, potencialmente marcados para o  sucesso no trabalho secular,  deixaram de atender o chamado de Deus em seus postos de trabalho, para serem obreiros sem nenhuma habilidade para tal missão. Outros, até com habilidades, mas não encontram  espaço no disputado  mercado de trabalho chamado de ministério especial.

 O QUE A IGREJA DEVE ENSINAR SOBRRE VOCAÇÃO E TRABALHO?

1.   A Igreja tem duas dimensões de atuação:
-  A missão externa ( Ide >  fazer novos discípulos).
-  A missão interna  ( Congregar > Adoração, ensino e comunhão).
2.  O  cristão é um comissionado para fazer três coisas:
            -  Praticar  o amor de Cristo cuidando das necessidades das pessoas  
                ( Tiago 1:27). Tanto no ambiente dentro como fora da igreja.
            -  Proclamar as boas novas a respeito de Jesus, às pessoas ( Mc.16:15).
                Externamente ao ambiente da igreja.
            -  Fazer discípulos de Jesus ( Mt. 28.19,20). Ambiente fora da igreja.

A IGREJA DEVE ESTIMULAR  E ENSINAR  O PRINCÍPIO DO TRABALHO COMO MINISTERIO, SEM  INTERFERIR NA SUA VOCAÇÃO E CHAMADO.
O cristão  deve ser treinado a fazer do  trabalho, três coisas:
 - Fazer no trabalho, onde atua, o seu ministério do testemunho pessoal da sua fé.  
   Praticar  amor de Cristo através de práticas de boas obras.
-  Fazer do trabalho,  usando suas habilidades,  o seu ministério de influenciar   pessoas a
   ser  o seu imitador; e ele,  de Cristo.
-  Fazer para o trabalho, o ministério de proteção para as práticas de obras que
   glorifiquem a Deus. Um computador, reproduz o que foi programado. 

A IGREJA DEVE AJUDAR A CADA MEMBRO A ENCONCONTRAR O SEU CHAMADO,  AJUDÁ-LO  NO APERFEIÇOAMENTO, PARA QUE CUMPRA A SUA  VOCAÇÃO.
A pergunta chave: Qual das duas ações eu me enquadro no meu chamado?
- Para atuar no ministério da Igreja, para dentro?
- Para atuar no ministério da Igreja, para fora?
Esse pensamento traduz o papel da igreja na vida de seus membros:
“ Nosso trabalho  não  é algo que interfere na genuína espiritualidade; é parte integrante do que significa ser cristão”( Dr. Gordon T. Smith, escritor e teólogo pastorais, 1995).

Veja essa pesquisa:
Uma  pesquisa foi realizada com cerca de 2000 pessoas  que frequentavam igreja regularmente e que se consideram cristãs.  Feita uma única pergunta:

Alguma vez na sua vida você já ouviu algum sermão, leu um livro, ouviu um DVD ou esteve em algum seminário que aplicou os princípios  às questões do dia a dia? ( R). 90%  dos pesquisados responderam “Nunca”. Trabalho na Bíblia é mencionado 800 vezes de diversas formas.
 A IGREJA PRECISA REPENSAR O PARADÍGMA DE SUSTENTAR UMA TEOLOGIA QUE SEPARA O TRABALHO DO CRISTÁO, ESPIRITUAL DO SECULAR.
O princípio mais importante que jamais deve ser negligenciado ou negociado, que tudo deve ser feito para Glória de Deus. Usar todas as formas e meios, de forma lícita e transparente, para que o Reino de Deus alcance todos os povos e raças, sem fronteiras teológicas e paradigmas criadas por homens.


 
UM JEITO DE SER IGREJA:
SER NAVIO CRUZEIRO OU PORTA-AVIÕES DE GUERRA"





Reflexão:
Nosso anseio que cada cristão, comprometido com o Reino de Deus, tenha uma segura direção e aperfeiçoamento para exercer o seu chamado e vocação onde Deus o  colocar.  Se você se interessar em aprofundar mais sobre o assunto, recomendo a leitura do livro Vida Integrada.

Por amor a Cristo!