sábado, 14 de fevereiro de 2015

CINCO LINGUAGENS DE AMOR DE JESUS NA CRUZ!

"... Tendo os olhos fitos em Jesus, autor e consumador da nossa fé.
Ele, pela alegria que lhe fora proposta, suportou a cruz,
desprezando a vergonha,
e assentou-se à direita do trono de Deus"
( Hebreus 12:2)  
 
A cruz simboliza a mais bela e perfeita linguagem de amor.  Não se trata de uma linguagem de amor passional.  Trata-se de um ato de doação, de si mesmo, por  um alguém desconhecido, sem nenhuma expectativa  de esperar algo em troca.  Jesus é o autor dessa ação.  Não sofreu a pena de morte por transgredir uma Lei do seu país, nem de qualquer outro. Colocou-se, voluntariamente, no lugar do  verdadeiro  culpado. Na historia da humanidade nunca se vivenciou um gesto tão sublime e singular

 Cinco Linguagens de Amor de Jesus na Cruz:

1.  A  linguagem  em defesa do culpado
“... Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que estão fazendo” ( Lc. 23:24)
Convenhamos, esta não é uma linguagem fácil de se praticar. Amar ao ponto de ir em defesa daquele  que cuspira no seu rosto. Daquele que  traspassou uma lança em seu corpo. Daquele que lhe  dera vinagre para beber.  Daquela multidão que gritava  "crucifica-o".
Foi exatamente a  linguagem de amor que Jesus expressou na Cruz, em favor daqueles que O julgaram e O crucificaram, injustamente. Todos, sem exceção,  sabiam o que estavam fazendo ao condenar a morte um inocente. O que não sabiam, que Jesus estava inaugurando  um novo dialeto que passaria ser a línguagem universal do Seu Reino aqui na terra. I Cor 13, define com detalhes de riquezas como funciona essa linguagem de amor.

2.  A  linguagem  da reconciliação do pecador com Deus
“...  E tudo isso provem de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo e nos deu o ministério da reconciliação” ( 2 Co 5:18)
O ponto alto da Cruz é a reconciliação  do pecador com Deus. Uma linguagem linda de amor é quando alguém se coloca como mediador num processo de reconciliação. Jesus fez isso por cada um de nós. Paulo exerceu esse papel com o seu filho na fé, Onésimo, um escravo fugitivo que ao se converter retornou à casa do seu senhor. ( Carta à  Filemom). O ministério da reconciliação deve ser o principal foco da Igreja.

3.  A linguagem do perdão  incondicional
‘... Suportando-vos uns aos outros e perdoando-vos uns aos outros, se alguém tiver queixa contra outro;  assim como Cristo vos perdoou, assim fazei vós também”( Col 3:13)
A linguagem mais convicente do amor é quando o perdão é o ponto final. Numa linguagem gramatical uma frase sempre  se encerra com um ponto. Uma linguagem de amor sempre se encerra com o perdão. Ponto final! O Senhor Jesus encerrou sua linguagem de amor, antes de dar o último suspiro, com o perdão. A linguagem do perdão incondicional é o dialeto de Deus em seu relacionamento com o pecador.

4. A linguagem do relacionamento com Deus e com o próximo
"...  Se alguém diz: ‘Eu amo a Deus e aborrece ao seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu?  ( I Jo 4:20 ).
Linguagem de amor que promove um profundo relacionamento com Deus e com o próximo, vai além de rituais religiosos. O grande teste que amamos verdadeiramente a Deus está no trato com as pessoas com quem nos  relacionamos no  quotidiano.

5. A linguagem de atitudes praticas
“..... Meus filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas por obra e verdade” ( I Jo 3:18)
Amar é uma atitude prática e não um sentimento. Amar não está condicionado ao estado de espírito que justifique o amor. Deus ao amar, incondicionalmente  o pecador, tomou atitudes práticas ao sacrificar o Seu Filho. O amor de Deus sempre envolve uma escolha e uma ação. Essa e a linguagem de amor que Jesus expressou na cruz.

Refletindo:
"...Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu mas Cristo vive em mim..." ( Gl. 2:20)
 Para entender a linguagem da Cruz, é preciso passar por ela. Para praticar a linguagem da Cruz é preciso  mortificar a natureza carnal. Essa é a escola universal que ensina a linguagem do amor de Cristo, na  cruz.
Por amor a Cristo!