sábado, 28 de fevereiro de 2015

CINCO LINGUAGENS DE UMA COMUNICAÇÃO QUE GERA UM AMBIENTE DE PAZ! !

 
“... não haja  desavença entre mim e você, ou entre os seus pastores e os meus; afinal somos irmãos” ( Gn. 13:8)

 

O tema   comunicação é riquíssimo  em abordagens e desafios. O conturbado relacionamento entre Abraão e seu sobrinho, retrata a história de muitas famílias que vivem relacionamentos conturbados a encontrarem o caminho da paz.

Os conflitos são inevitáveis entre pessoas, comunidades e até mesmo entre povos. Consequência de uma humanidade decaída que se afastou de Deus. Como resolver conflitos? Na história familiar de Abraão não foi diferente.  Abraão soube  lidar com sabedoria  os conflitos familiares,  que vale a pena considerar e extrair lições que podem nos ajudar.

CINCO LINGUAGENS DE COMUNICAÇÃO  QUE GERARAM UM AMBIENTE DE PAZ NA FAMÍLIA DE ABRAÃO.


1 -  Linguagem de um olhar atento   
“... surgiu uma desavença  entre os pastores do rebanho de Abraão e os de Ló...”( Gn.13.7.a)
O olhar é uma forma de linguagem importante.  Um olhar que vê!  Um conflito começa  de forma sutil, uma pequena fagulha se instala em alguma área familiar. São pequenos desentendimentos, pequenos desprezos que vão aos poucos tomando  grandes proporções. São vários os fatores gerados de conflitos. No exemplo de Abraão com o seu sobrinho Ló, o foco foi a prosperidade.  Quantas famílias nos dias de hoje estão  em pé de guerra  por conta do dinheiro?  Abraão reconheceu que havia um foco de conflito e se posicionou em favor da paz. Uma linguagem de  um olhar atento de não descuidar dos pequenos focos de conflitos, gera um ambiente de paz!
2-  Linguagem de atitudes positivas 
“.... Não haja desavença entre mim e você, ou entre os seus pastores e os meus...”( Gn.13:8a)
Atitudes positivas outra forma de linguagem que toneladas de palavras não resolvem. Pequenas discussões hoje podem gerar divisões amanhã. Acontece no ambiente familiar, na igreja,  nas comunidades, no trabalho, na vizinhança, todo tipo de relacionamento.  Num ambiente conflituoso há sempre dois grupos em ação: os apeladores e os pacificadores. Um grupo incendeia, o outro apaga.  Abraão fazia parte do grupo de pacificadores. Diante do conflito tomou atitudes positivas beneficiando o seu sobrinho, dando-lhe o direito de escolher  o melhor da terra.  Atitudes positivas, na busca de uma solução de conflitos, pode requerer algum tipo de renuncia. Uma linguagem de comunicação que faz diferença.
 
3-  Linguagem  de ceder o direito ao outro
“...  se você escolher a esquerda irei para a direita, se escolher a direita irei para a esquerda... 
( Gn. 13:9b)
A  linguagem de ceder direitos é uma das mais difíceis de se praticar. Um dos grandes equívocos da vida é se colocar  na posição da  auto-defesa, quando temos a promessa do Senhor   " E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século." Mateus 28:20.  Abraão com um gesto de humildade não se usurpou do direito patriarcal, simplesmente  cedeu seus direitos de escolhas para o seu sobrinho.  Enquanto o ambicioso Ló, não cedeu,  partiu  na busca de seus pretensos direitos.  Não é assim que muitos de nós agimos?  Linguagem de ceder o direito ao outro  elimina a possibilidade de disputas.
4-  Linguagem de valorizar o  ouvir  

“...  Queridos irmãos, nunca se esqueçam de que cada um deve estar pronto para ouvir, mas demorar para falar...”
( Tiago 1:19.a)
A linguagem de ouvir mais e falar menos  é para pessoas sábias.  Abraão não conhecia essa Escritura, mas, conhecia o Deus dessa Escritura. Ouviu atentamente as reclamações dos dois  lados. Quando duas pessoas no auge de uma discussão falam ao mesmo tempo- sejam cônjuges, pais de filhos, lideres,  no trabalho, os ouvidos estão tapados, e ninguém ouve. Numa civilizada linguagem de comunicação sempre deve haver espaço para falar e ouvir. A sabedoria está na arte de ouvir. Todos sabemos que na prática não é tão simples assim.  As estatística apontam um quadro desanimador, 87%  dos casais que se divorciam alegam que seu principal problema está no fato de não se  comunicar corretamente.  Uma linguagem de comunicação  onde o ouvir precede o  falar produz um ambiente de paz.
Qual tem sido a sua experiência nesta área? Você houve mais que fala?
5- Linguagem da sensibilidade


“... Que Deus, aquele que dá paciência e ânimo,
possa ajuda-los a viver em completa harmonia uns com os outros...” ( Rom. 15:5)
 
A linguagem da sensibilidade  é sinônima a linguagem do  amor. Na essência todos somos semelhantes, fomos criados à imagem e semelhança de Deus. Na individualidade, somos diferentes na personalidade, nos interesses, nas habilidades e até nos valores pessoais.  É importante  entender que cada um de nós  carrega pontos fortes e pontos fracos. Eliminando as possibilidades do individualismo e da exclusividade. Por achar que o mundo gira ao seu redor, que  as suas  ideias são as únicas que importam.
Uma linguagem onde o bom senso prevalece  promove a harmonia e a paz.
                                                                                                        
Refletindo:
“... Cada um tendo para com o outro a mesma atitude de Cristo"( Rom. 15:5.b)
As  cinco linguagens que aprendemos com o pai da fé, Abraão, somadas as outras tantas  formas de linguagens,  formam dialetos   que  promovem a paz e a harmonia entre as pessoas.  Mas o  nosso padrão perfeito, para uma comunicação que produz  plena harmonia e paz perene,  só é encontrado na pessoa do Mestre e Senhor  Jesus Cristo.  Siga-o!
Por amor a Cristo!