domingo, 31 de maio de 2015

COMO ENFRENTAR UMA INFIDELIDADE CONJUGAL!


“... Por que o Senhor foi testemunha entre ti e a mulher da tua mocidade, com a qual tu foste infiel, sendo ela a tua companheira e a mulher do teu concerto” ( Ml. 2:14)
 
Infidelidade  conjugal é um golpe muito severo. Severo  porque não se trata de um simples quebra de votos do casamento mas de uma quebra de  aliança feita com Deus. É tão forte essa aliança que é comparada a aliança de Cristo com a Igreja.  O pacto de Cristo com sua igreja é de 100%, assim deve ser o pacto no casamento.
A FIDELIDADE É A ESSÊNCIA DO CARÁTER DEUS.
O caráter de Deus  é de absoluta fidelidade em tudo. Quando Deus faz promessas ao homem ele cumpre integralmente. A sua fidelidade não está no cumprimento da promessa mas na fidelidade à sua Palavra.  No cap. 26 de Levítico,  encontramos um pacto  que Deus faz com a nação de Israel. Nem tudo se cumpriu porque o povo quebrou a aliança feita com Deus.  Deus sempre se mantém fiel ao princípio. A quebra de fidelidade, por parte de um cônjuge, não dará direito ao outro pagar com a mesma moeda. Apenas continuará fiel à palavra empenhada à Deus.

AS CONSEQUÊNCIAS DA INFIDELIDADE.
Um ato de infidelidade conjugal trará consequências para ambos os  cônjuges. Para o cônjuge infiel as consequências são marcas profundas na vida moral, espiritual e geracional. O rei Davi é um exemplo bíblico para deixar claro que Deus não tolera infidelidade a quem quer que seja. Os efeitos negativos de infidelidade atingem gerações.
Para o cônjuge vitimado, as consequências serão traumáticas, causando dor, raiva, decepção, sentimento de desvalor. São marcas  profundas que não se vão com um simples pedido de perdão.

 NO PROCESSO DE CURA A INFIDELIDADE DEVE SER CONFRONTADA.
Fugir da realidade é a pior das soluções. O que fazer quando a constatação vem á tona: fui traído/a pelo meu cônjuge.  Os sentimentos afloram e a casa vem abaixo. O sentimento de desvalor toma conta do coração. Impossível reter a dor, o choro e o desapontamento. Expressões como: “ eu me sinto traído/a”, “ sinto-me ferido/a” , “ Sinto-me como se não fosse amado/a”.
Esses sentimentos precisam ser expressados para o cônjuge infiel. Ele ou ela precisa ouvir isso. Todo processo de cura e restauração precisa de uma confrontação sincera. O cônjuge infiel precisa sentir o tamanho da dor provocado na pessoa que era para ser amada e valorizada  e sentir-se a mais especial de sua vida.

 OS SENTIMENTOS DE DOR  E REVOLTA  DEVEM SER  EXPRESSADOS PARA DEUS.
O padrão de fidelidade de Deus e do seu perfeito amor, agem em favor  dos vitimados pela infidelidade.  Que promessa maravilhosa essa do Salmo 147:3, que diz:  Só ele cura os de  coração quebrantado e cuida das suas feridas". Muitas pessoas não são curadas de suas enfermidades, porque ao invés de  se quebrantarem diante de Deus, murmuram contra o próprio Deus, como que O responsabilizando dos sofrimentos.
Uma raridade   encontrar,  num relacionamento conjugal, uma situação em que a pessoa  infiel é 100% culpada e a vitimada esteja 100% inculpável. Uma alerta! Pequenas concessões podem se transformar em perigo à vista. Pessoas perfeitas não moram nesse planeta chamado terra.

NÃO HÁ UM ATO DE  INFIDELIDADE QUE NÃO POSSA SER PERDOADO  POR DEUS.
A disposição sincera da confissão e do arrependimento de quem praticou a infidelidade, e a disposição sincera de perdoar por parte de quem foi vítima da traição, são atitudes que contribuem decisivamente  na restauração de uma relação conjugal rompida pelo adultério. O Salmo 32 é o  poema da restauração. O perdão sempre foi parte da natureza amorosa de Deus.  Somente o ato curador da confissão  e do arrependimento que Davi pode ser perdoado e restaurado, e voltar a viver  como o homem que Deus o havia chamado a ser. Somente Deus pode fazer  essa metamorfose, restaurar uma  aliança de casamento, por mais difícil e dolorosa que possa ser.

O SANGUE DE JESUS PURIFICA  TODO O SENTIMENTO DE CULPA E DE DESVALOR.
Essa é a notícia mais extraordinária que a Bíblia nos proporciona. Purificação da culpa de quem cometeu o ato de infidelidade  e  a purificação de  quem passou pela humilhação da traição. A boa notícia está em I João 1:9, que diz: “ Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar e nos purificar de toda injustiça”.  A purificação alcança quem pecou e alcança quem sofreu o golpe do desvalor. Ao mesmo tempo que Jesus sofreu e morreu pelo pecador, sofreu e morreu pelos que sofrem atos de injustiça.

                                           REFLEXÃO:

O Espírito Santo nos deu essa reflexão certamente com propósito de abençoar muitos casais que estejam passando pelo vale da traição.  Há um endereço certo e uma palavra de esperança:  Não desista do seu casamento. Derrame-se  diante de Deus. Expresse a  sua dor e a sua revolta. Confronte o pecado do seu cônjuge.  Busque ajuda. Considere cada tópico dessa meditação. Deus está do seu lado! Encha o seu coração do amor de 1 Cor 13.





Por amor a Cristo!