domingo, 20 de setembro de 2015

PROPAGANDA ENGANOSA OU CONCORRÊNCIA DESLEAL?





 
"... Coisa espantosa e horrenda se anda fazendo na terra: 
os profetas profetizam falsamente, 
e os sacerdotes dominam pelas mãos deles,e o meu povo assim
o deseja;e que fareis  no fim disso? ( Jeremias 5:30,31)



O mundo está contaminado de propagandas enganosas. É uma prática delituosa, uma especialidade de Satanás, distorcer a verdade, tornar o falso  como verdadeiro. Essa prática mundana não nos surpreende, nem nos atemoriza  “ Sabemos que somos de Deus, e que todo mundo está no maligno” (  I João 5:19  )
O que nos constrange e nos atemoriza é o fato de muitos segmentos evangélicos usarem propagandas nos seus templos, na mídia, que são enganosas, ou no mínimo desleal. Propagandas do tipo: “Pare de  sofrer”, “Adquira um carnê  “tal”  a sua vida financeira vai mudar”, “ Faça a campanha dos sete dias que o seu marido voltará”. As práticas não são diferentes das  condenadas por Deus através do profeta Jeremias ( texto acima).  O que mudou foi apenas a maneira de como persuadir as pessoas.
1.      QUANDO A PROPAGANDA PODE  TORNAR-SE ENGANOSA?
A Igreja de Jesus Cristo está comissionada a levar a mensagem de boas novas. Essa mensagem, de boas novas, inclui:  salvação, cura, libertação e vida abundante. Onde houver uma Igreja de Jesus Cristo, a Graça está disponível a todos, para receber salvação, cura, libertação, vida abundante.  É uma combinação de fé, de obediência e de prática da Palavra de Deus. Tudo que se prega fora desse contexto torna-se uma propaganda enganosa. Uma pratica, cuja motivação visa atrair pessoas, invertendo a ordem para prosperidade, libertação, cura e salvação.    
Toda prática enganosa é crime. Qualquer pessoa lesada tem direito de reaver o prejuízo. Para as práticas religiosas enganosas  não há reparos, nem punição da lei. A pessoa enganada  contribui voluntariamente na busca de alcançar um favor divino. São fieis bem intencionados, movidos pelo desespero, entregam bens e ofertas mesmo  não tendo.  Aqueles que não alcançam a graça, ficam no prejuízo, acabam culpando a Deus. Você consegue ver nessa prática uma propaganda enganosa?
  
2.      QUANDO A  CONCORRÊNCIA PODE TORNAR-SE  DESLEAL?
“... Eu plantei, Apolo regou; mas Deus deu o crescimento”.
 (I Co 3:6)
Na relação entre  Igrejas de Jesus Cristo não  deve haver concorrentes, mas parcerias. Igrejas que estejam  focadas nos mesmos propósitos: Expansão do Reino de Deus, edificação dos santos, compromisso com a lealdade e com os princípios da Palavra de Deus.
Mais a prática tem mostrado que existem poucas parceiras e muitas concorrentes.   Igreja pescando em aquário de outras. Crentes, vivendo uma vida cristã indisciplinada, que não aceitam correções, deixam as suas congregações, acabam sendo recepcionados  em outras comunidades de uma forma desleal. Outro exemplo,  Igrejas comprometidas com os valores da família, investem nos casamentos, na criação de filhos, em como ser um mordomo fiel, enquanto outras, nada fazem nesse sentido, tratam superficialmente as feridas dos seus membros. “Eles tratam superficialmente as feridas do meu povo...”  ( Jeremias 6:14.a )
A Igreja de Jesus sempre enfrentará concorrência desleal. É o preço da liberdade religiosa. Entretanto, é a grande oportunidade da Igreja de Jesus não ser apenas  diferente, sobretudo, fazer a diferença. A exemplo do profeta Elias, no Monte Carmelo ( I Reis 18:16-45 ). As igrejas comprometidas com a grande comissão precisam viver em unidade nas questões inegociáveis do Evangelho: salvação pela graça mediante  a fé; a Palavra de Deus a única verdade revelada; Jesus Cristo único caminho, verdade e vida. 
As ênfases dos programas de TV, e nas celebrações, são  para  cura e  prosperidade. Pouca ênfase da pessoa de Jesus Cristo,  e o plano de salvação. Essa prática não deixa de ser uma concorrência desleal. Os patrocinadores, em geral, investem naquilo que trarão retorno financeiro. Não faz parte dos seus cálculos o valor de uma alma salva. Mas o quanto lucrará na sua empresa. Faz sentido pra você que essa pratica é uma concorrência desleal?

3.      APESAR DE TUDO, O ESPIRITO SANTO, CONTINUARÁ AGINDO EM FAVOR DOS QUE BUSCAM VIVER UMA FÉ VIVA NO CRISTO VIVO.
Viver uma fé viva no Cristo vivo, é o caminho para alcançar a tão desejada vida abundante. Aprofundar-se no conhecimento da Palavra de Deus. Viver a prática de boas obras. Não se deixar levar por ventos de doutrina. Nem trocar a sua herança eterna  por nada de  valor terreno.
Toda prática religiosa, que substitui o sacrifício de Jesus na Cruz, ou acrescenta alguns ingredientes adicionais para alcançar graça,  é uma evidência de deslealdade a Jesus Cristo. Como se a Sua morte tivesse sido inútil. Induzir quem quer que seja,  a acreditar que consegue alcançar o favor de Deus apenas por meio de alguma ação sacrificial, não é obra do Espirito Santo. O sacrifício que agrada a Deus é  submissão ao Senhorio de Jesus Cristo e obediência a Sua palavra.

O Espírito Santo de Deus pode ser colocado de lado quando acontecem  dois extremos na prática cristã: quando os exageros  apontam glórias para pessoas ou programas  e não para Jesus Cristo. Essa  prática do  tudo pode;  ou,  quando o tradicionalismo considera nada pode.  Essa  prática  censura tudo que é novo.  O Senhor Jesus ministrava na mais serena simplicidade. Alcançava todos os níveis de pessoas.

REFLETINDO:


“...  Eis que confiais em palavras falsas, que para nada são proveitosas” ( Jr. 7:8).
Esse texto bíblico está nos alertando:A não se deixar levar por um  “evangelho” que se presenta como   de “santo milagroso”.  Não se iludir com experiências que envolvem apenas questões de ordem material. A experiência   duradoura vai além dessa vida terrena. 
O apóstolo Paulo não foi curado de uma enfermidade física, mas  deixou um legado de obediência ao  Deus que serviu.
Jó sofreu todo tipo de perda e humilhação, no seu coração havia algo  que  Satanás não teve acesso:  o temor ao Senhor. “ Eu sei que o meu redentor vive, e que por fim se levantará sobre a terra” ( Jó 19:25).
Por amor a Cristo!