sábado, 28 de novembro de 2015

HOMENAGEM POSTUMA! A UM PAI QUE LANÇOU MÃO DO ARADO E NÃO OLHOU PARA TRÁS!



25/7/1926 - 23/11/2015
Antônio Paulino Salgado

"... Muito bem, servo bom e fiel! Você foi fiel no pouco, 
eu o porei sobre o muito. Venha e participe da alegria do seu Senhor!" Mateus 25:23)


Com a permissão dos nossos parceiros e parceiras do Blogger Meditações, faremos uma pausa para homenagear uma pessoa  muito especial. Alguém que "lançou mão do  arado e não olhou  para atrás". Essa pessoa especial é o nosso Pai.  Aprouve ao Senhor conduzi-lo ao descanso eterno  com seus 89 anos e  4 meses bem vividos. O funeral do nosso  Pai foi uma celebração à vida. O choro motivado pela saudade da despedida foi superado pelo conforto das manifestações espontâneas daqueles que conviveram com o nosso pai.
Por se tratar de um  simples lavrador, um itinerante nordestino,  órfão  de mãe aos doze anos,   nunca frequentou uma escola, como pode formar uma geração tão próspera?  Filhos (3) ,  netos (7), bisnetos (09) ( um em memoria). tataraneto (1),  os adultos,  em  posições importantes, na política, na medicina, nos negócios, em carreiras públicas, e outras.

 Fomos  buscar essa resposta,  fazendo uma viagem no tempo vasculhando a sua trajetória de vida.  Essa busca  nos levou a reconhecer que o nosso Pai foi um sábio, conhecedor das Escrituras e praticante, dela..  Em sua maneira simples de entender a Bíblia, associava com muita sabedoria o que Jesus ensinava, por parábolas , com aquilo que fazia na prática do dia a dia.  Vou dar dois exemplos.

.  O Princípio do Arado

" Ninguém que lança mão do arado e olha para trás é apto para o Reino de Deus" ( Lc. 9.62).
Por ser um lavrador  de vocação   não teve dificuldade de entender o que o Senhor está ensinando, na parábola do arado.  Arar a terra era o que mais ele entendia.  Em nossa  infância o nosso  pai nos  ensinou a "lançar mão do arado". É impossível conduzir um arado se não estiver com o olhar fixo para frente. Um  pequeno desvio do olhar,  o arado perde a direção. Se olhar para trás, então, perde o rumo completamente. O princípio do Arado,  o nosso pai levou para a sua vida pessoal. Nunca perdeu o olhar do futuro, nunca olhou para trás, nunca desanimou quando os resultados não foram o esperado. Nunca abandonou a sua fé. Nunca pensou em divorciar-se, foram 68 anos bem vividos no casamento.   Chegou ao final da carreira, subindo no mais alto posto  do pódio recebendo a faixa de um  campeão. 

. O Princípio da Semeadura.  

:... Esforcem-se para ter uma vida tranquila , cuidar dos seus próprios negócios e trabalhar com as próprias mãos, como nós os instruímos; a fim de que andem decentemente aos olhos dos que são de fora e não dependam de ninguém? ( I Ts. 4:11,12).
   
Por ser lavrador nosso pai conhecia muito bem  o princípio da semeadura. Sabia como preparar o solo, selecionar as melhores sementes e  semear em solos adequados.  O que nos  impressiona é o fato do nosso pai, com pouca instrução,  aplicar  à sua vida os cinco quesitos, de I Ts. 4:11,12, indispensáveis para quem deseja ser  um vencedor:   ( vamos a eles - )
     
a)  "...Esforcem-se para ter uma vida tranquila...". ele entendeu que nada  na vida se consegue sem esforço. Para dar conta de suas demandas diárias, nosso  pai levantava de  madrugada para ordenhar as vacas leiteiras, e assim,  se ocupava nas  outras atividades,  até o por do sol. Nada mudava sua rotina, por causa da chuva ou frio. O seu esforço valeu a pena. Não acumulou fortunas, mas o suficiente  que permitisse  desfrutar  de uma velhice tranquila.

b)   "...Cuidar dos seus próprios negócios...".  Um ditado popular antigo: " O olho do dono engorda o boi". Nosso  pai sempre contou com mão de obra contratada, mas não delegava aquelas tarefas que só a ele cabia;  como por exemplo, assumia   a sua  responsabilidade de ensinar os filhos a trabalhar. Nosso pai, ensinou a arar, a plantar e a  colher. Cuidava do nosso desempenho na escola; da nossa vida espiritual;  não mandava os filhos para igreja , nos conduziam.  Um legado precioso que precisa ser preservado a todo custo.

c) "...Trabalhar com as próprias mãos...".  O próprio Deus trabalhou com as próprias mãos na criação  do homem.  Nosso  Pai, por ser um lavrador de vocação,  usava as mãos para tudo. Não havia, como hoje,  maquinários de alta  tecnologia que pouco se usa as mãos. A ideia das mãos, sugere que cada indivíduo tem algo a realizar na vida. Sugere que cada indivíduo tem o seu próprio arado. Tem que fazer a sua própria semeadura.  O sábio Salomão  nos coloca na posição de assumir as nossas responsabilidades:  " O que as suas mãos tiverem que fazer, que o façam com toda a suas forças, pois na sepultura, para onde você vai, não há atividade nem planejamento, não há conhecimento nem sabedoria" ( Ecl. 9:10).
Na sua simplicidade e com pouco conhecimento bíblico, encontrou uma forma de semear a semente do Evangelho. Diariamente, e por longo tempo, escrevia textos bíblicos com o seu próprio punho, em papel comum, colocava-os em seu bolso e saía pelas ruas de Campo Grande,  entregando a quem encontrasse. Em seu funeral houve depoimentos de pessoas que receberam.
Nosso  pai,  já está na sepultura,  enquanto aqui viveu esse principio de Salomão  fez o maior sentido. Não foi nem além, nem aquém de suas forças. O fruto de seu trabalho produziu uma geração abençoada.

d)  "... a fim de que andem decentemente aos olhos dos que são de fora...".  Ninguém  vive para si mesmo. Andar decentemente deve ser o padrão de conduta de todo indivíduo.  O culto fúnebre do nosso Pai foi uma celebração. O seu testemunho de  vida impactou as dezenas de pessoas presentes. O seu trato com a palavra empenhada, fiel aos seus  compromissos, o respeito ao próximo, fizeram do nosso Pai uma homem respeitado e querido. Um legado de caráter aprovado que deixou para suas gerações..

e) "...e não dependam de ninguém...".  Não depender de ninguém não nos induz a viver uma vida isolada e independente.  O sentido aqui é viver interdependente, sem contudo ser pesado aos outros-  isso é uma  opção de vida.  Meu Pai optou a esforçar-se, para ter uma vida tranquila; Cuidar do seus próprios negócios; Trabalhar com suas próprias mãos. Não deixou fortuna financeira, mas soube fazer do pouco o  muito. Deixando para minha mãe  uma reserva financeira suficiente para que não dependa de ninguém.  Um modelo extraordinário ,  que abençoará  gerações.
Como herdeiros desse legado  temos  um grande referencial a seguirmos :a vida exemplar do  nosso pai.


Ao compartilhar  a história de vida do nosso pai, sentimo-nos  honrados por sermos  herdeiros desse legado tão rico.  A sua história de vida nos encorajam a  levar essa mensagem de esperança: :   que a vida foi feita para dar certo.  A simplicidade e as limitações humanas não são obstáculos para subir ao pódio mais alto das realizações. Basta levar a sério a vida e seguir à risca o que Palavra de Deus nos instrui.
Nosso pai, é reconhecido na linhagem familiar " Salgado e Coelho" como o  "Abraão da Família". Todos  os que o acompanharam  na aventura de uma terra prometida ( Mato Grosso - décadas de 50/60) construíram famílias prósperas e abençoadas.

Aprouve o Senhor conduzir o nosso pai ao descanso eterno, no dia do aniversário de um dos filhos. Falo por mim:  " essa premiação do nosso pai, promovido aos Céus,  recebo como  meu presente de aniversário. Perdi o meu companheiro nas  partidas de dominó, mas ganhei  um legado que me fará uma pessoa energizada para à jornada que segue. Obrigado meu Pai! Sua semente não vai morrer.   Filho, grato-Arão "






Nossa gratidão a todos que nos confortaram!

Saudosa Lembrança!

(Esposa, Filhos, Nora, Genro, Netos, Bisnetos, Tataraneto)