sábado, 28 de maio de 2016

MARKETINGS EVANGÉLICOS: VERDADEIROS, FANTASIOSOS OU ENGANOSOS?


O Marketing evangélico vem se tornando em eficiente recurso catalizador para atrair multidões. Não precisa ser especialista para observar que alguns marketings são verdadeiros, alguns fantasiosos e infelizmente alguns enganosos. Para marqueteiros descomprometidos com a ética e a verdade tudo é válido.
Um desses marketings  nos chamou atenção  num  adesivo de um  veículo, com os dizeres:  “Todo Inicio de mês participe da campanha da derrubada dos muros de Jericó”.  Quando li, comecei  a exercitar um exercício mental sobre essa frase: Que muros? Qual Jericó? Como aplicar isso na prática?
Pensei! Trata-se de uma campanha de prosperidade. Os muros são imaginários, mas representam os inimigos financeiros:  as dívidas, os juros,  o desemprego, o baixo salário.  A Jericó, à conquista.
Trazendo essa ideia para o campo da prosperidade, construímos uma linha de ações que podem ser úteis para derrubadas desses muros (inimigos) que impedem a tão almejada prosperidade financeira.

A Ordem de Deus dada a Josué, foi:  dar uma volta em seis dias, e no sétimo dia, sete voltas, ao redor do muro ( Jos. Cap.6).  Importante ressaltar, não se vê  em nenhuma outra batalha a repetição dessa estratégia. Não há nenhum registro bíblico, que possa aplicar como princípio para conquistas financeiras. Ë uma criatividade puramente fantasiosa.
Imaginando ser possível aplicar essa estratégia, da derrubada dos muros de Jericó, como uma estratégia para destruir os muros que impedem a prosperidade, vamos considerar seis inimigos ( ou muros) da prosperidade financeira:

1-    Inimigo Jericó  ( Leia Josué 6:26)
Fica claro no texto de Josué 6:26 que o inimigo  não se tratava do muro que cercava Jericó, mas a própria Jericó.  A ordem de Deus era expressa: destruir Jericó.  E mais, não se apossar nada dela. Um dos soldados, Acã, passou pelo teste da derrubada dos muros, mas não passou no teste de Jericó. Não venceu o inimigo. Não basta vencer o inimigo das dívidas, se o seu inimigo está na ganancia, na falta de controle, na infidelidade.

2-    Inimigo Presunção  ( leia Tiago 4:13-17 )
A presunção tem sido o inimigo de muita gente. Muitos negócios que geram dívidas são por motivações presunçosas. Não consultam a Deus, agem como se fosse donos do tempo. O texto em referencia é uma muralha que precisa vir abaixo, pela obediência a Deus. Provérbios 16:25, diz: “ Há caminho que parece direito ao homem, mas o seu fim sãos os caminhos de morte”.  O presunçoso constrói o seu próprio caminho de queda.

3-     Inimigos Avareza  e da cobiça.
A avareza é um inimigo  insaciável. A pessoa não se contenta com o que tem e luta para querer o do outro também. Uma vida feliz não tem a ver com dinheiro, posses, ou quanto consumimos.  Para  derrubar essa muralha é preciso seguir o ensino de Jesus no texto em  referencia, que diz: “ Acautelai-vos e guardai-vos da avareza, porque a vida de qualquer não consiste na abundância do que possui” ( Lucas 12:14)

4-     Inimigos  Ociosidade  e da preguiça ( Leia I Sm 11:1-8)
O texto em referencia trata-se do rei Davi. Um homem rico, bem sucedido na vida, tinha de tudo. A sua vida teve um duro golpe pelo inimigo chamado ociosidade. Leia  texto com atenção e  tire as suas próprias conclusões. Davi cobiçou a Jericó, no caso, a mulher de um de seus comandantes que estava guerreando pelo rei. O livro de Provérbios há muitas referencias sobre o destino do preguiçoso ( leia Prov.  6: 6-11).  O que derruba essas muralhas da ociosidade e da preguiça é a determinação de trabalhar diligentemente. Provérbios 12:11, diz: “O que lavra a sua terra se fartará de pão, mas o que segue os ociosos está falto de juízo”.  

5-     Inimigos do Desperdício e  da Negligencia   
Provérbios fala que o negligente é irmão do desperdiçador. Provérbios  l8:9, diz: “ Também o negligente na sua obra é irmão do desperdiçador”. O Brasil é um país do desperdício. O desperdício de hoje é o que faltará amanhã.  A Negligência do presente não será resposta no futuro. O Senhor Jesus advertiu os religiosos a obediência não só os mandamentos da Lei, mas sobretudo,  incluir em suas práticas de vida, o próximo, nas suas necessidades. Essas muralhas são derrubadas através de atitudes conscientes de um mordomo fiel. Mateus 23:23, diz: “ Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Por que dais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho e negligencieis o mais importante da lei,  o juízo, a misericórdia e a fé, deveis, porém, fazer essas coisas e não omitir aquelas” 

6-    Inimigo da Infidelidade ( Josué 7:1)
A infidelidade é um ato que fere o caráter de Deus. É descumprir uma ordem. Se estamos comissionados por Jesus  Cristo, no cumprimento da  missão Ide, se praticamos um ato de infidelidade, apropriando de algo condenável, estamos prevaricando contra Deus. Prevaricar é reter para si aquilo que não é seu. Prevaricamos roubando o tempo que pertence a Deus, as boas obras que deixamos de praticar, retemos impostos como lucros, retemos os dízimos e ofertas que são consagradas a Deus. Todo infiel na prática da  mordomia da vida está cometendo um ato de infidelidade. Essa muralha só é derrubada com arrependimento sincero. Naquilo que é possível reparar, fazer imediatamente.

7. Sétimo Dia, Sete Voltas, Sete Ações ( Leia Josué 6:15-20)
O ritual dos seis dias podem nos sugerir que há muralhas resistentes em nossas vidas que só virão abaixo com muito esforço e resignação.  Há uma legião de demônios que se escondem por trás dos inimigos que  simboliza  a Jericó da nossa vida.

As sete voltas, no sétimo dia, podem nos sugerir que  o processo de repetições formam novos hábitos.  Esses novos hábitos sugerem sete lições:
1-      Deus tem estratégia específica para barrar o inimigo (v.1)
2-      Deus age através de lideres que Ele mesmo escolhe   (v.2)
3-      Deus age através de pessoas que  se alinham a Ele (v.3)
4-      Seguir à  risca as instruções de Deus ( v.17)
5-      Permanecer na posição que Deus chamou  (v.13)
6-      Ser diligente e  em prontidão para a batalha ( v.12 )
7-      No tempo certo, dar o grito da vitória  (v.16

Refletindo:
As campanhas são motivadoras e muitos alcançam as bênçãos que buscam. Cuidado! Nem sempre uma conquista simboliza bênçãos. Jericó não simboliza uma conquista de bênção mais de julgamento de Deus.  Qual é a sua Jericó? Busque a  estratégia de Deus para vencer esse inimigo? O propósito de Deus que sua fé não seja contaminada com as práticas mundanas. Amem!

Por amor a Cristo!