sábado, 7 de maio de 2016

PADRÃO BÍBLICO - ATÉ ONDE VAI A RESPONSABILIDADE DOS PAIS?



"... Ele age segundo os meus decretos e obedece fielmente às minhas leis. 
Esse homem é justo; com certeza ele viverá"  ( Ez. 18:9 )

Definimos como padrão  um conjunto de regras padronizados que estabelece um modelo a ser reproduzido. Nesse sentido dois padrões operam no mundo: o padrão de Deus e o padrão do mundo. São padrões distintos os seus valores são antagônicos. O padrão de Deus é inalterado, justo e imparcial. O padrão do mundo  é parcial  age em função de conveniência. Na prática as pessoas que se enquadram aos padrões de Deus, enquanto o padrão do mundo que se enquadra ao gosto das pessoas.

Ezequiel cap. 18 trás uma riqueza de informações de como viver à altura do padrão de Deus no ambiente familiar:

1 - Deus estabeleceu para a família  um  padrão de leis, ético,  moral e espiritual,
      que não  se altera  com o  Tempo.
As leis de Deus são instrumentos de proteção e de garantias individuais e coletivas. Normatizam como  a vida deve funcionar numa sociedade organizada. Ela apresenta consequências quando não é cumprida.  Por exemplo, Deus estabeleceu regras claras para os mais ricos não explorarem os pobres. “Se emprestares dinheiro ao meu povo, ao pobre que está contigo, não te haverás com ele como um usurário; não lhe imporás usura” ( Ex. 22:25 ). O código de Leis Hebraico é fortemente diretivo em favor da justiça e da responsabilidade social. As leis dos homens na sua maioria são vulneráveis e abrem brechas para  a impunidade. O papel dos pais é muito importante nesse processo. Desenvolver nos filhos a capacidade de serem bons cidadãos conscientes de seus direitos e responsabilidades.

2-  Um Padrão Moral, Ético e Espiritual, Perfeito e  Justo.
“... Ele age segundo os meus decretos e obedece fielmente as minhas leis.
Esse  homem é justo....” ( Ez. 18.9).
O que mais a família  precisa é de um padrão perfeito e  justo. O Conceito de padrão  do mundo o meio justifica os fins.  O conceito de padrão  de Deus os meios devem ser justos. Haverá situações que perder é um ganho.  Não haverá espaço  para usura e lucros desonestos. Só uma pessoa justa é capaz de fazer o que é certo e direito. Pratica retidão em todos os aspectos de sua vida. Seus atos são incapazes  de praticar qualquer ação que prejudique o outro. Os filhos só aprenderão práticas justas, assimilando, no dia-a-dia, os exemplos de seus pais. Os filhos entenderão sobre pureza sexual, honestidade, generosidade, hospitalidade, fidelidade a Deus, se forem ensinados no ambiente familiar. A conduta moral, ética e espiritual faz parte do conjunto de um padrão  harmônico e perfeito, estabelecido por um Deus reto e justo incapaz de praticar atos imperfeitos. 

3- Os pais são responsáveis a praticar e ensinar esse padrão aos filhos, mas não
     serão responsabilizados se os  filhos/as escolherem o padrão do mundo.
“.... O filho não levará a culpa  do pai , nem o pai levará a culpa do filho. A justiça do justo lhe será creditada e a impiedade do ímpio lhe será cobrada”( Ez. 18:20 )
O padrão bíblico  atribui aos pais a responsabilidade de praticar e ensinar aos filhos.  Os valores são  transferidos pelo exemplo e pelo ensino. O exemplo dos pais tem um grande peso nesse processo. Os filhos ao tomarem o rumo de suas vidas tem a liberdade de escolherem o padrão que queiram seguir. A escolha é pessoal,  os pais deixam de responder pelas consequências de seus atos. Essa é uma palavra de consolo para os pais que vivem o padrão bíblico, nos seus lares, nos seus negócios, desfrutam de boa reputação na sociedade, mesmo assim, os filhos resolveram escolher o padrão do mundo. Esse sentimento de culpa os pais não devem carregar.

4- Os filhos são responsáveis em praticar o padrão de Deus, mesmo que os seus
    pais não  os vivem.
“... Contudo, vocês perguntam: Por que o filho não partilha da culpa do seu pai? Uma vez que o filho fez o que é justo e direito e teve o cuidado de obedecera todos os meus decretos, com certeza viverá”
( Ez. 18:20 )  
O padrão bíblico atribui aos filhos a responsabilidade de viver de acordo com os ensinos que aprenderam. Mesmo que não haja bons exemplos, dos pais, não diminui a responsabilidade de seus atos. Essa é uma palavra de encorajamento para os filhos, em fazer o marco zero em suas vidas; no sentido de decidirem assumir viver o padrão bíblico. Os filhos não pagarão pelas  transgressões dos pais.  A intercessão, exemplos de transformação de vida podem impactar a vida de seus pais a se arrependerem e retornarem aos caminhos do Senhor.

5- O abandono do padrão bíblico para o padrão do mundo, não será levada em
     conta as práticas anteriormente consideradas  justas.
“.... Se, porém um justo se desviar de sua justiça, e cometer pecado e as mesmas práticas  detestáveis dos ímpios, deverá ele viver? Nenhum de seus atos justos será lembrado! Por causa da infidelidade de que é culpado e por causa dos pecados eu cometeu, ele morrerá” ( Ez. 18:24 ).
Toda prática de injustiça fere o coração de um Deus justo que não compactua com práticas ímpias.  O cristão deve resistir com todas as forças quando tentado a praticar um ato de injustiça. A essência da justiça é o amor.  A  1ª. Carta à Igreja em  Corinto, Cap. 13, narra a essência desse grande e perfeito amor.  Sair desse padrão é abandonar o padrão bíblico.  O caminho natural de uma nova  vida, em Cristo, é experimentar o crescimento e o aperfeiçoamento gradual e continuo, conduzindo o crente ao processo de maturidade a ponto de experimentar um profundo relacionamento com Deus. O Senhor não tem prazer no recuo da fé do crente. 

Reflexão

“... Livrem-se de todos os males que vocês cometeram, 
e busquem um coração novo e um coração novo” ( Ez. 18.31)

Deus não deseja a morte do ímpio, nem que o justo abandone a fé. Um coração novo e um espírito novo é conquista do Senhor Jesus, na Cruz. “ Se alguém está em Cristo é nova criação. As coisas antigas já passaram eis que tudo se fez novo” ( I Co 5:17). O arrependimento conduz a confissão “O sangue de Jesus nos purifica de todo o pecado” ( I Jo 1:9). Negar esse sacrifício é negar o amor de Deus. Esse tão grande amor de Deus está em alcance a todo pecador. Esta é a grande notícia!



Segundo domingo de maio é uma data especial, dia das mães. Nossa mais profunda gratidão e reconhecimento a todas as mamães, pelo seu  valor imensurável,  que não se mede com palavras ou com  presentes. Ao homenagear minha querida esposa, mãe exemplar, minha mãe Anatil e minha querida sogra Anna (ambas em tratamento de saúde), minhas noras Juliana e Melina, e futura mamãe, filha Anna Carolina, homenageamos  todas as mamães. As mamães que sofrem a dor da perda, que sofrem por terem filhos em prisões e com enfermidades incuráveis, que o Senhor derrame uma unção de graça de consolo.

"Senhor, a família cristã possui um padrão perfeito para transformar o mundo. Não precisamos imitar ou buscar recursos do mundo para nossas famílias fora do código perfeito das Escrituras. Nos proteja desse  padrão perversivo e diabólico,  que há no  mundo. Salve a  família cristã! "

Por amor a Cristo!