sábado, 22 de outubro de 2016

FÉ - ATITUDE CONFIANTE AO DEUS QUE MOVE OS CÉUS E A TERRA!




"  Confiai nele, ó povo, em todo tempo; derramai perante ele o vosso coração. Deus é o nosso refúgio" ( Salmos 62:8)   

A vida cristã não é um plano duplo em que separa o terreno do celestial. A Bíblia diz que Deus criou os céus e a terra. Quando pensamos em fé nossa mente associa a eventos espirituais. Essa dicotomia de vida tem causado prejuízo ao testemunho cristão. Nossa referência  é Jesus Cristo, em nenhum momento o Senhor Jesus viveu duplicidade em suas ações. 
O tema está inspirado nesta Palavra do Salmista " Confiai nele, ó povo, em todo tempo...".  Nossa atenção está no tempo adverbial "em todo tempo". O tempo aqui é ininterrupto, referindo-se a vida terrena. É o nosso quotidiano, dia-a-dia, incluindo nossos afazeres seculares. A proposta desta reflexão é responder a pergunta: Fé - Atitude Confiante ao Deus que Move os Céus e a Terra. A questão é:  Como viver essa fé confiante sem sermos enganados a separar o terreno do celestial?

1.  FÉ NO PLANO TERRENO.
"... Deus os abençoou, e lhes disse: " Sejam férteis e multipliquem-se! Encham e subjuguem a terra! Dominem sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu e sobre todos os animais que se movem pela terra"( Gn. 2:28)   
Na verdade quem criou o plano secular foi o mundo com propósito de confundir a intervenção divina. No princípio todas as coisas foram criadas por Deus e para Ele. O homem, Adão, recebeu  a responsabilidade em administrar e multiplicar o que foi criado por Deus. Na virada, de cada dia, o Criador se apresentava a Adão, para que lhe prestasse contas de  suas atividades. A fé, no plano terreno, está intimamente interligada com o que se passa nos Céus. Deus continua agindo com suprema soberania e autoridade no plano terreno e celestial. A parte que cabe ao homem  não mudou, Continua sendo gestor do que Deus lhe confiou.
 Destacaremos  três fatores extremamente importantes:

-  A Fé e  o Trabalho.
"....Esforcem-se pra ter uma vida tranquila, cuidar dos seus próprios negócios e trabalhar com as próprias mãos, como nós os instruímos"( I Ts. 4:11) 
O trabalho é um dom de Deus e resulta em benefícios para nosso próprio bem enquanto vivermos no plano terreno. O trabalho é o principal capital para produzir riquezas. Deus disse a Adão: "Sejam férteis e multipliquem-se". Onde a fé entra? A fé se alimenta  nas promessas de Deus condicionada ao trabalho diligente e responsável. Deus não avaliza nem a  ociosidade nem a negligência. Sempre age em nosso socorro quando somos surpreendidos por fatores adversos; em razão de vivermos em um plano terreno contaminado por maldições e injustiças. Quando trabalhamos para o Reino de Deus, estamos  semeando para  os céus. A Bíblia diz: quem investe o seu trabalho entesourando nos céus, estará com o seu investimento seguro: "Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam"   ( Mt. 6:24). O trabalho acaba sendo maldição quando o seu foco está cem por cento no plano terreno. A Bíblia chama de insensato quem assim procede.

- A Fé e a Prudência.
" E as imprudentes disseram as prudentes: Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas lâmpadas estão se apagando" ( Mateus 25:8) 
O fator prudência é um dos mais importantes da vida. O termo "nossas lâmpadas estão se apagando",  significa que Deus não avaliza a imprudência. A parábola das " Dez Virgens"  nos induz uma  aplicação para o plano espiritual. Quer dizer: ficarão fora das "bodas do Cordeiro" os que agirem no plano terreno com imprudência, não se preparam para a vinda do noivo, Jesus.  Quando seguimos as instruções bíblicas: onde e como semear,  teremos a garantia de uma abençoada colheita, nos céus. E quando os infortúnios apresentarem diante de nós, teremos a garantia do amparo do Senhor. Muitos empreendimentos, sejam nos negócios, na escolha da profissão, no casamento, realizados na imprudência e na precipitação, os resultados são semelhantes as virgens imprudentes, que não se prepararam para os eventos importantes da vida.
Quando negligenciamos as oportunidades que nos apresentam, e negligenciamos o tempo que dispomos, a vida vai se apagando com o tempo, e faltará o azeite. O azeite, é a fé prudente,  naquilo que cremos e realizamos.

- A Fé e a Confiança.
"....Esta é a confiança que temos aos nos aproximarmos de Deus: se pedirmos alguma coisa de acordo com a vontade de Deus, ele nos ouvirá" ( I Jo 5:14).
A confiança é outro ingrediente importante da fé. Quando exercemos uma fé confiante, no Deus provedor, não haverá espaço no coração para o medo. O medo é uma arma poderosa, de Satanás; para enfraquecer  a nossa confiança em Deus. A confiança cria laços fortes de amizades. Fortalece as relações mercantis tão importante entre as pessoas e nações. Trazendo para o plano espiritual a confiança exerce um papel importante no testemunho da fé cristã. Se o crente vive uma fé confiante, no Deus provedor, abrirá janelas de oportunidades para que as pessoas, sem Cristo,  experimentem e vivam essa fé confiante.  Uma atitude intencional  que move os céus levando as pessoas a entenderem o proposito de Deus para as suas vidas aqui na terra.  

2. NO PLANO ESPIRITUAL.
"... Criou Deus, pois o homem á sua imagem de Deus o criou: homem e mulher os criou" ( Gn. 1:27) 
A forma como o homem foi criado não deixa dúvidas que está intimamente ligado com o seu Criador. O homem possui um espírito, possui uma alma e um corpo físico. O espírito é a parte do homem que não morre; em todo tempo está conectado com o Criador. A bíblia dá instruções como interagirmos no plano espiritual com o Criador, quando diz: " E tudo o que fizerdes, seja em palavra, seja em ação, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graça a Deus Pai" ( Cl. 3:17). O termo "tudo",  é tudo mesmo. Todas as nossas ações sejam elas no plano terreno e no espiritual, tem um único  compromisso em honrar aquele que nos criou.

No plano espiritual destacaremos  dois fatores importantes:

-  Honrar a Deus Com o Fruto do  Trabalho.
"... O filho honra o pai, e o servo, ao seu senhor. Se eu soupai, onde está a minha honra?" ( Ml. 1:6). 
A honra é um mandamento com promessa na relação pais e filhos. Como cristãos nos tornamos, além de criaturas, filhos de Deus. Deus cobra dos seus filhos a honra. Muitos cristãos desonram a Deus com o fruto do seu trabalho. Não dizimam não oferecem ofertas espontâneas a Deus.  As janelas dos céus se fecham, as pragas consomem as colheitas,  não há prosperidade nem no plano terreno nem no plano espiritual. Há cristãos que praticam o dízimo, dão ofertas generosas para o Reino; no entanto, não são fieis mordomos na parte que lhes cabem administrar. Prosperam na vida, mas perdem o casamento, perdem os filhos para o mundo, sonegam impostos e fazem sociedades com ímpios.

- Viver e Andar no Espírito
"... Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito"
( Gl. 5:25)
A Bíblia não mudou os seus princípios de como a vida deve funcionar. Todas as nossas gestões devem ter  o "ISO" de aprovação por aquele que  nos chamou para operar no Seu Reino.  O " ISO" de aferição é único: não existe um "ISO" para o secular, e outro  "ISO" para o espiritual. O cristão nasceu de novo, para viver no Espírito e caminhar no Espírito. "Viver" e "Caminhar" só podem funcionar  na vida do cristão se os princípios da Palavra de Deus forem preservados.  Quem é fiel nos dízimos é fiel nos impostos. Quem serve a Deus nas atividades chamadas eclesiásticas, serve a Deus nas chamadas atividades seculares. Quem ama os irmãos da igreja, ama o seu cônjuge e os seus filhos. O mesmo dialeto fraterno, requintado, que usamos em nossas reuniões sagrados de cultos, deve ser o mesmo dialeto usado no ambiente sagrado da família e do trabalho  

REFLETINDO.
"...Ele respondeu: "Porque a fé que vocês têm é pequena. Eu lhes asseguro que se vocês tiverem fé do tamanho de um grão de mostarda, poderão dizer a este monte: `Vá daqui para lá, e ele irá'. Nada lhes será impossível " ( Mt. 17: 20). 
Fé  pequena é o maior embaraço da operação do poder de Deus. É vexatório operar, em nome Deus, com uma fé pequena, nada se move. O sacrifício não chega aos céus como o de Abel. O projeto que Deus nos confiou não se conclui da forma como Noé concluiu o seu. Não crucificamos o nosso "Isaque"como Abraão crucificou o seu Isaque. Não andamos com Deus como Enoque andou com Deus. A fé confiante, mesmo sendo uma fé diminuta, move o coração de Deus. Essa é a  fé que o Senhor Jesus encontrou em Jairo, na mulher de fluxo de sangue, em Zaqueu, em Maria Madalena. Essa é a fé confiante que move os céus e a terra. É a vitória que  vence o mundo   ( I Jo 5:4b.)

Por amor a Cristo!


.