sábado, 19 de novembro de 2016

CASAMENTO DOS FILHOS - PAIS E FILHOS EM CONCORDÂNCIA!

O casamento dos filhos deve ser um acontecimento marcante na vida de qualquer família. O noivado deve ser muito valorizado é a preparação para o casamento. Um tempo que as famílias se relacionam mais intensamente com objetivos comuns. Começa a preparação de um projeto de vida para vida toda e para gerações. O mundo mudou esse conceito transformando o casamento numa aventura com data de validade. Como pais cristãos precisamos refutar veementemente essa cultura profana. Deus colocou os pais como provedores e protetores dos filhos, até que cheguem a maturidade suficiente para seguirem seus destinos. Uma tarefa complexa que exigirá uma ponte de confiança onde pais e filhos precisam transitar com liberdade. Os filhos precisam acreditar que os pais desejam  o melhor para suas vidas. Entenderem que honrar os pais é uma escolha sábia que prolongará os seus dias e trará  prosperidade.

SETE DICAS PARA ESCOLHA DE UM PARCEIRO/A DE  CASAMENTO:



Parece estranho mas as dicas são inspiradas na vida do profeta Jonas. Um jovem que fez da fuga a solução para fugir de suas responsabilidades. Sua atitude desencadeou uma série de eventos reprováveis. Todos nós pais cristãos temos a consciência que  o casamento dos nossos filhos  não é um evento qualquer.  Quando se trata de uma filha os cuidados devem merecer atenção especial. Como pais já passamos por essa experiência. Permita-nos compartilhar sete  dicas que podem ajudar muito os pais: 



1.    Está qualificado para assumir o casamento?  
"... E Jonas se levantou para fugir de diante da face do Senhor...."  ( Jonas 1:3)
A qualificação é uma das exigências vitais da vida moderna. Não há como fugir dessa responsabilidade. Um jovem desqualificado constrói qualquer coisa em qualquer lugar.  O casamento não é uma construção de qualquer coisa. Qual tem sido o comportamento de muitos jovens? Há jovens qualificados mas com pouca disposição em assumir casamento. O que não deixa de ser  um tipo de fuga. A experiência tem nos mostrado essa fuga se dá por maus exemplos na própria família. Há jovens  não qualificados mais com disposição em assumir o casamento. Movidos por uma paixão incontrolável, acabam abandonando a formação acadêmica se casando prematuramente.  Na verdade é um tipo de fuga  onde o casamento se torna o "navio" para se esconder.    

2.  Está bem acordado para à  vida lutando por um proposito que vale a pena?

" O capitão dirigiu-se a ele e disse:" Como você fica aí dormindo? ..." ( Jonas 1:6.a)
As estatísticas tem mostrado que os homens vem  perdendo espaço para as mulheres em todas carreiras. As mulheres estão encarando com mais seriedade a formação acadêmica. Uma boa parte dos homens estão dormindo no porão da vida, sem horizonte, sem propósito. Se  perguntarmos a um desses jovens: onde você chegará daqui a 30 anos? Não saberão responder. Se perguntarmos para as jovens moças, de cada dez, oito responderão com segurança onde vão chegar. A pergunta que não pode calar: como um pai que tem uma filha, cheia de ideais na vida, entregará sua filha a um jovem que está dormente e sem propósito? Pais cristãos, acordem! Preparem os seus filhos para à vida. Todo os esforços, em dar conforto e segurança  a sua família, poderão ir de água abaixo quando entregar um filho ou uma filha a uma pessoa dormente.

3. Tem ocupação definida capaz de prover um casamento?  
"... que ocupação é a tua?" (v.8)
Ocupação definida é a convicção do que a pessoa é, do que ela faz e do porquê faz. Há uma  identidade e  destino definidos na vida. Há muitos cambaleando na vida, qualquer destino serve até mesmo um porão. Todo pai tem o direito de fazer essa pergunta ao jovem que pretende casar-se com sua filha: que ocupação é a tua?  Pode estar de frente de um jovem fujão que está procurando uma saída para a fuga. A missão de Jonas era ir a Nineve, fugiu para Társis. Pode ser que a missão desse jovem  devesse ser concluir a universidade,  aperfeiçoar-se numa profissão, para depois pensar em casar-se. Toda filha sonha com o seu príncipe e com o seu castelo. Muitos desses castelos são de areia. Desabam na primeira tempestade do casamento. 

4. Possui o mapa da trajetória da sua vida?   
"... E donde vens? Qual é a tua terra? (v.8)  
Cada pessoa precisa ter o mapa da trajetória da sua vida.  A cada geração que passa essa referência de futuro tem se perdido. Temos acompanhado a trajetória de vida de alguns jovens cristãos, o que temos visto é que precisam apenas de pequenos ajustes de direção. Desenvolver um projeto pessoal de vida elencando os principais projetos na ordem de importância. Os pais tem um papel relevante nesse processo. Nenhuma pessoa passa por acaso neste mundo. Cada indivíduo possui suas peculiaridades suficientes para chegar no seu destino. Para quem perdeu o mapa da vida, a Palavra de Deus pode resgatar e reconstruir. Os pais precisam estar atentos nesse importante quesito na vida dos filhos. Um jovem sem direção está em fuga! 

5. O histórico familiar  da  família serve a Deus? 
                                                             "...de que povo és tu"? (v.8)
A família foi criada para servir a Deus. Esse é o plano original  que nenhuma família cristã deve negligenciar de suas responsabilidades. Deus leva tanto a sério  que determinou as tribos de Israel não se misturar com tribos pagãs através do casamento. Infelizmente o histórico familiar de algumas 
famílias cristãs nada difere com os dos não cristãos. Os índices de divórcios entre os cristãos não é diferente dos não cristãos. Os pais cristãos precisam dar um bom testemunho da fé, preparar os filhos espiritualmente e depender de Deus para escolhas de parceiros para os filhos.  A boa notícia, a cruz de Cristo é o  começo onde tudo se faz novo na vida de qualquer pessoa, independente do histórico familiar. Se o histórico familiar está recheado de eventos negativos, não é determinante para um jovem  cristão construir o seu  casamento nos princípios de Deus. De qualquer maneira,  os pais cristãos  precisam colocar  sua  família no altar do Senhor.

6. Assume os seus erros, ou justifica-os? 


"... o que te faremos nós para que o mar se acalme?... Levantai-me e lançai-me ao mar, e o mar se aquietará; porque eu sei que, por minha causa, vos sobreveio esta grande tempestade" (vs. 11,12)
     Um nobre gesto do profeta Jonas: assumiu os seus erros e não os justificou. Gestos como esses muda a vida de qualquer pessoa. Quantos casamentos seriam restaurados se houvesse essa disposição em assumir  os erros.  Os  pais precisam estar atentos a pequenos deslizes  dos filhos desde pequenos. A falta de disciplina e correção gera distorção de caráter. O que mais acontece numa relação de casamento são erros;  que devem  ser assumidos e corrigidos e não justificados. O único lugar que cabe justificação é a cruz de Cristo. Com uma condição: arrependimento, confissão e abandono do pecado.

.     7. Assume as consequências dos seus atos? 
 
"... Levantai-me e lançai-me ao mar, e o mar se aquietará.." (v.11)

Nem todos que erram tem a dignidade em assumir as consequências dos seus erros. Jonas reconheceu e assumiu. Quantas famílias passam por muitos sofrimentos por causa de erros de filhos que   não assumem  as consequências  dos seus atos.  Quantos pais preferem suportar o sofrimento causado por um filho, por práticas ilícitas e não entregar a justiça. O jovem que decide ir para um casamento precisa ter  um perfil de caráter  suficientemente maduro para enfrentar o que virá pela frente.  O casamento não suportará uma tempestade provocada pela deficiência de caráter.

Refletindo
A Bíblia não apresenta um padrão específico para preparação de um casamento. Mas há princípios claros para o casamento cristão. Destacamos:  O homem não foi criado para viver só, a mulher foi criada para ser parceira e que o complete; o divórcio é abominável a Deus, pelas consequências que causam as gerações; o pecado da fornicação e do adultério são considerados pecados graves, por contaminar o corpo, o santuário do Espírito Santo; o  marido deve amar a sua esposa, como Cristo ama a sua igreja; a mulher tenha no marido  o seu líder espiritual e provedor principal. Esses princípios não foram revogados por Deus. Quando um desses se quebra as consequências no casamento são trágicas. mas não são irreversíveis. Quando há reconhecimento do pecado, arrependimento,  a busca do perdão de Deus, haverá sempre uma segunda  chance.  Uma alerta! Há  incontáveis exemplos de  situações que o tempo não permite uma outra terceira chance. A Bíblia diz: cuide-se para não cair. O Diabo está faminto para matar, rouba e destruir vidas, casamento e famílias. Deus proteja a nossa família!
Por amor a Cristo!