sábado, 26 de novembro de 2016

FÉ QUANTITATIVA - DESCONECTADA DO EVANGELHO QUALITATIVO!


".... Porque ninguém pode por outro fundamento, além do que está posto, o qual é Jesus Cristo"
1. ( I Co 3:11)
O crescimento  quantitativo dos evangélicos no Brasil e em muitas partes do mundo é motivo de nos alegrarmos. O mesmo crescimento não se vê no quesito qualitativo da Fé. Isso é preocupante! O Evangelho é poder transformador na vida de uma pessoa. Essa transformação é o qualitativo que o mundo espera dos evangélicos. Uma pergunta inquietante: Por que os evangélicos não tem sido essa fôrça transformadora na medida que cresce dentro de uma comunidade?  Há muitas explicações, a que mais me convence é esta: Viver Uma Fé Evangélica Desconectada do Evangelho Transformador.  Quando ocorre essa desconexão? 

1-  Quando não Vive para Servir.
"..todo aquele que quiser ser grande, que seja o vosso serviçal" ( Mt.20:26)
A  Fé Evangélica deve ser clara, objetiva e prática.  Não deve haver duplicidade de entendimento e de prática de vida. A marca da fé cristã deve ser o serviço. O crente deve ser conhecido como aquele que serve. Infelizmente se ensina uma teologia de uma fé para ser servido e que seja gratificante.  Uma fé que paga para desfrutar o melhor da vida. Uma fé que cobra de Deus recompensas. Esse tipo de Fé Evangélica não tem sustentação na vida e ensino do Senhor Jesus. Desde o dia em que aceitei o Senhor  Jesus, como meu Salvador e Senhor, já se passaram 55 anos, e pelas minhas 69 leituras da Bíblia, ainda não  encontrei algo na Palavra de Deus que me diga: basta! Você já fez o suficiente, descanse! O que encontro são palavras como essa: "entra no gozo do teu Senhor", que será dita  no juízo final ( Mt. 25:21).

2. Quando  Não Ama Como Jesus Amou.
" Um novo  mandamento vos dou: Que vos ameis uns as outro; como eu vos amei a vós, que também uns aos outros os ameis" ( Jo 13:34).
O mandamento amar o próximo não nasceu com Jesus. Faz parte dos  Dez Mandamentos que Deus entregou a Moisés ( Lv.19:18). O novo, do qual o Senhor Jesus está se referindo, se distingue do antigo mandamento na sua intensidade de amar. Jesus é esse novo padrão de amar. Um amor que morre para si para que o outro viva. Um amor que não distingue o amigo do traidor. Um amor que tudo suporta, tudo crê, tudo espera ( 1 Co 13). Uma Fé Evangélica desconectada desse amor verdadeiro não reflete o amor do Evangelho vivido e ensinado pelo senhor Jesus Cristo. Não contribui para um mundo melhor.

3. Quando Não Perdoa Como Jesus Perdoa. 
"... Sejam bondosos e compassivos uns para os outros, perdoando-se mutuamente, assim como Deus os perdoou em Cristo " (Ef. 4:32).
As igrejas estão cheia de membros que professam a Fé Evangélica, mas não são bondosos, compassivos. Uma prática cristã que entristece o Espírito Santo, provoca divisões, desarmonia, vidas amarguradas que nada tem a ver com o Evangelho. O numero de guerreiros não é a garantia de vitoria. O numero de membros que cultuam a Deus nas igrejas não é garantia que a igreja está ganhando a batalha contra o mundo. Deus preferiu lutar com 300 ao lado de  Gideão do que lutar com 32.000 guerreiros tímidos, medrosos e covardes. O cristão que não perdoa está desabilitado a lutar pelo Senhor. Como se estivesse com um canhão sem munições. 

4. Quando Não Prioriza o Reino de Deus.
" Mas buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão acrescentadas" 
( Mt. 6:33).
A duplicidade é abominável a Deus. Ou Deus é tudo em nossa vida ou não é nada. Deve ser o desejo numero um da vida. Um desejo que determinará todos os outros desejos. Quando esse desejo não acontece a ansiedade dominará o coração. Não são poucos os evangélicos que  vivem uma Fé com corações  ansiosos, desesperados, sem que tenham obtidos resultados positivos dos  esforços do seu trabalho.  Estão desconectados do Evangelho do Senhor Jesus que, diz: "... e todas essas coisas vos serão acrescentadas". Permita-me dar o meu testemunho pessoal, funciona mesmo. Em minha trajetória de vida, pude passar por momentos difíceis na carreira, na família, na igreja, mas,  o cuidado e a provisão do Senhor, não faltaram. A ansiedade e as preocupações descabidas, trazem efeitos maléficos para à vida de qualquer pessoa, na saúde, na produtividade, nos relacionamentos.

5. Quando o Sofrimento Deixa de Ser Parte da Vida Cristã.
"... Tenho vos dito isso, para que em mim tenham paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo"( Jo 16:33).
A marca visível  do cristão  é a coragem. O Reino de Deus não tem lugar para covardes, medrosos e tímidos (leia atentamente Ap 21:8). O sofrimento que Jesus se refere é a consequência por sofrer pelo Evangelho. A Fé Evangélica que vai na contra mão de viver esse tipo de sofrimento está desconectada do Evangelho do Senhor Jesus Cristo. Por mais que seja o sofrimento por conta de injustiças, perseguição religiosa, não se compara com  o sofrimento de Jesus, por nós  pecadores. Há outros tipos de sofrimentos inevitáveis: pelo pecado cometido; pecados de outras pessoas; desastres evitáveis; desastres inevitáveis. O desafio da fé é como lidar com esses tipos de sofrimentos, sem blasfemar nem abandonar a caminhada cristã. São desafios permanentes que o Senhor Jesus espera de cada um de nós cristãos. 

6. Quando Não Há Convicção de Salvação.
"... Nem todo o que me diz : Senhor! Entrará no Reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus"( Mt. 7:21)   
As igrejas estão cheias de pessoas que não tem convicção de sua salvação. Praticam  um tipo de indulgência acreditando que pode alcançar a salvação. Vivem uma vida desconectada do verdadeiro Evangelho de Jesus Cristo. São pessoas bem intencionadas, cooperam com suas ofertas, participam de eventos evangélicos, mas não há convicção de que estão salvas. Tão perto do Reino mas sem salvação. São pessoas acostumadas a ouvir  vozes de homens, mas não distingue a voz do pastor Jesus. São pessoas que conhecem o pregador da  Bíblia, não conhece o Deus da Bíblia. Não conhece a sua própria Bíblia. Como ter a plena convicção da salvação? Algumas dicas já estão sendo dadas nesta reflexão: 1) Tenho alegria em servir a  Deus servindo  as pessoas?; 2)  Tenho amado e perdoado como estou sendo amado e perdoado por Deus?; 3) Tenho colocado Deus, e o Seu reino, em primeiro lugar na minha vida?; 4) Sou capaz de distinguir o sofrimento causado pelo meu próprio pecado e arrepender-me?.


REFLETINDO: 
 “Tenho, porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor. 5- Lembra-te, pois, donde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; e se não, brevemente virei a ti, e removerei do seu lugar o teu candeeiro, se não te arrependeres.” Apocalipse 2:4-5. 
Para que a Fé Evangélica esteja plenamente conectada com o Evangelho do Senhor Jesus, duas coisas devem acontecer: a primeira voltar a viver a chama do primeiro amor. Podemos estar fazendo muitas coisas, para o Senhor, mas quando perdemos o calor daquela chama apaixonante, por Jesus, nosso coração está dividido; a segunda é cumprimos o Ide do Senhor Jesus Cristo. Podemos estar envolvidos em nossas igrejas, mas se faltar essa paixão global, não estamos  nem apressando nem vibrando com a volta do Senhor Jesus. Que o Espírito Santo aviva cada coração, cada igreja, a viver a Fé Evangélica conectada com os valores transformadores  do Evangelho. Amem!
Por amor a Cristo!